sexta-feira, 16 de outubro de 2020

Resenha: "O Mestre das Espadas e a filha do corsário" (Silvana Barbosa)

 

Sinopse: Ian MacConnollyn recebe do capitão Rudy Rubi uma proposta muito interessante: encontrar e trazer para ele a filha que o corsário nunca conheceu, fruto de um romance do passado. Se o highlander cumprir sua missão ganhará um vultoso prêmio e com esse pagamento poderá garantir o seu futuro.

O chamado à aventura e a possibilidade de riqueza são desafios que o cavaleiro, mestre das espadas de seu clã, não pode recusar...

Bem longe de sir Ian está Sabine Ferguson, que foi prometida por seu pai a um homem do clã vizinho, como garantia de aliança entre as tribos. Quando essa aliança ameaça ser quebrada, o resultado pode ser devastador, e, portanto, a moça precisa tomar uma decisão que mudará sua vida para sempre.

Dois jovens com caminhos diferentes a seguir acabam se cruzando em suas jornadas, e vão descobrir se, afinal, a recompensa de um pode ou não afetar de forma irremediável a recompensa do outro.


Por Jayne Cordeiro: " O mestre das espadas e a filha do corsário" é o quarto e último livro da série "Cavaleiros das Terras Altas". Ele até poder lido isoladamente, mas acredito que o leitor aproveitará o máximo ao livro, se tiver lido os outros antes. Não é de hoje que leio os livros da autora, e sempre me surpreendo com a capacidade que ela tem de ser fiel a ideia do romance de época ou histórico. Das autoras nacionais, ela é uma das minhas favoritas, e não é a toa.

Sobre esse livro, ele é cheio de qualidades e foi difícil (ou quase impossível) achar algo que não tenha gostado. A escrita dela é gostosa de ler, não há enrolação na história. Tudo flui muito bem, sem pontas soltas, ou situações corridas demais. A história é interessante, e o desenvolvimento do romance entre Sabine e Ian foi bem legal. E o que falar desses dois? No geral, os personagens desse livro são muito simpáticos e é fácil ser cativado por eles. E esses dois formam um casal encantador.

Quanto a história, gostei do fato de que a autora nem sempre segue pelo caminho mais óbvio. Eu esperada determinadas situações, ou que certos obstáculos fossem aparecer na história, mas a autora lidou com isso de forma diferente. E se, por um lado, isso pode ter tirado alguns pontos de embate, também foi uma bela novidade. De qualquer forma, tudo foi bem colocado. Eu, na verdade, queria que ele fosse maior. As cenas e as interações eram tão boas, que eu queria mais umas 100 páginas nesse livro. Mas não posso dizer que esse livro começou bem e acabou bem. Sem queixas. E deixando um gostinho de saudades, para essa série, que chegou ao seu fim, mas que conquistou um lugarzinho no meu coração.



Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta



segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Resenha: "A Prometida" (Kiera Cass)

 

Tradução: Cristian Clemente

Sinopse: Quando o rei Jameson se declara para a Lady Hollis Brite, ela fica radiante. Afinal, a jovem cresceu no castelo de Keresken, competindo com as outras damas da nobreza pela atenção do rei, e agora finalmente poderá provar seu valor.

Cheia de ideias e opiniões, logo Hollis percebe que, por mais que os sentimentos de Jameson sejam verdadeiros, estar ao seu lado a transformaria num simples enfeite. Tudo fica ainda mais confuso quando ela conhece Silas, um estrangeiro que parece enxergá-la ― e aceitá-la ― como realmente é. Só que seguir seu coração significaria decepcionar todos à sua volta…

Hollis está diante de uma encruzilhada ― qual caminho levará ao seu final feliz?

Por Jayne Cordeiro:  "A Prometida" é o mais recente livro da autora Kiera Cass, conhecida pela trilogia "A Seleção". O livro não se passa no mesmo universo, então pode ser lido separadamente. Mas ele trás também, o mundo da realeza. Eu já tinha ouvido falar desse livro, e muitas das resenhas foram negativas. Mas finalmente sentei, peguei o livro para ler, e agora estou aqui para falar o que eu achei dele para vocês.

Para começar, ele trás os mesmos problemas que eu já tinha reparado em "A Seleção". Ele apresenta uma ideia interessante (principalmente em "A Seleção"), mas que acaba sendo muito pouco aprofundada ou aproveitada. Também não trás dramas secundários interessantes, e seus personagens secundários são pouco aproveitados. Muita coisa poderia vir da relação de Hollis com Jameson ou com Silas, e até mesmo das interações com a corte. Nada de especial vem de temas que poderiam trazer muita coisa legal. Outra questão aqui, é que os personagens principais são tratados de forma tão rasa, que o leitor não se apega a ninguém.

E aí vem a única coisa, que pra mim, foi o incentivo para ler a trilogia "A Seleção", mas que "A Prometida" não tem: Maxon. Ou pelo menos uma história de amor que convença ou conquiste. Hollis não conquista o leitor, e nenhum de seus pretendentes também. Eu até torci mais pelo rei Jameson, porque pelo menos víamos mais dele. Ele mostrou qualidades e falhas. Mas Silas foi tão simplório...Eu gosto de amores e atrações instantâneas. Mas essa aqui não colou. Não via nada, além de poucas palavras, que me fizesse torcer ou aceitar as decisões da protagonista. 

O livro não consegue mostrar um ápice, e tudo é muito linear, sem momentos que causem ansiedade ou tensão no leitor. A leitura não é ruim. Eu li esse livro muito rápido. A escrita da autora é boa, leve, até gostosa de ler. Mesmo ele não sendo muito atraente, a leitura flui bem. E não diria que é um livro ruim. Mas é um livro bem morno. O final trás uma situação inesperada, mas que não consegue causar grandes emoções, devido a falta de apego que acabei tendo com todos os personagens. Ele deixa uma abertura para o próximo livro, que não faço ideia do que virá. Provavelmente vou ler, porque não gosto de largar histórias caminhando. Mas não é um livro que recomendaria, apesar de achar a capa linda.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


sexta-feira, 9 de outubro de 2020

Resenha: "A Convenção das Aves" (Ransom Riggs)

 

Tradução: Giu Alonso e Rayssa Galvão

Sinopse: A série O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares é sucesso no Brasil e no mundo, tendo figurado na lista de mais vendidos e alcançado a marca de meio milhão de exemplares. Na aguardada continuação da história, vamos acompanhar os perigos que cercam o futuro do universo peculiar.

Em A Convenção das Aves, novo capítulo da série criada por Ransom Riggs, a jornada de Jacob pelo perigoso e surpreendente mundo peculiar dos Estados Unidos se transforma numa corrida contra o tempo. Ao lado dos amigos, ele se envolve em uma misteriosa missão: precisa salvar a jovem Noor Pradesh e levá-la até uma mulher poderosa e enigmática conhecida apenas como V.

Noor parece ser a chave de uma profecia antiga que prevê um apocalipse que destruirá tudo e todos. Em seu leito de morte, H. confessa a Jacob que ela será “uma dos sete que emanciparão os peculiares”. Mas quem são os sete? E do que — ou de quem — eles serão emancipados? Os questionamentos são muitos, mas a mensagem é clara: Salve Noor, salve os peculiares.

Mais do que nunca, eles precisarão se unir, embrenhando-se por mundos desconhecidos enquanto tentam decifrar a profecia e descobrir os planos malignos dos etéreos. Enquanto isso, a srta. Peregrine e as outras ymbrynes se veem em meio a negociações de paz com os clãs norte-americanos, buscando a todo custo evitar que uma guerra seja deflagrada e que o mundo peculiar sofra as consequências irreversíveis desse conflito. Eles só não contavam que um de seus maiores inimigos talvez esteja se preparando para um retorno triunfal. E aterrorizante.

Numa edição em capa dura com sobrecapa, ilustrada com as fotos mais sombrias do acervo pessoal do autor, A Convenção das Aves vai conquistar novos leitores e encantar os fãs, preparando-os para o emocionante desfecho da saga, que está cada vez mais próximo.

Por Jayne Cordeiro: Eu gosto muito da série "O Lar da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares", por vários motivos. Gosto do uso de fotografias originais  para compor a história, do universo novo criado pelo autor, a dinâmica dos livros deles e, principalmente, da relação entre os jovens peculiares. E neste livro, o autor continua trazendo tudo aquilo que fez com que eu me encantasse pela série. "A Convenção das Aves" é uma continuação exata do livro anterior. Jacob precisa proteger Noor e apresentá-la ao mundo dos Peculiares, enquanto tenta desvendar a mensagem de H. e outros mistérios e situações que acabam surgindo no decorrer do livro.

A história funciona bem, de forma ágil, mas sem ser corrido. Na verdade, apenas o primeiro livro da série foi mais devagar. Todos os outros funcionam de forma mais dinâmica. O que deixa a história interessante de acompanhar e nem um pouco monótona. É interessante ver o Jacob agora, como o conhecedor do mundo peculiar, e Noor como a novata. Sendo que os dois tem muita coisa em comum, já queos dois vieram do presente, diferente dos outros garotos. A Noor é uma personagem ótima, com um poder bem interessante. Simpatizei logo com as interações dela com o Jacob e com os outros jovens.

O enredo é bom, com uma nova busca pela resolução de um mistério e com a tentativa de evitar que uma situação aconteça. Não posso entrar em muitos detalhes, mas para mim, o livro foge um pouco do que a sinopse apresenta. Ou posso dizer que ele vai mais além. De qualquer forma, foi um livro que li muito rápido, as imagens ainda acrescentam bastante. Não são mais tão "peculiares" quanto as dos primeiros livros, mas ainda criam um bo ambiente a história. O livro tem aventuras, drama, romance, e vários momentos divertidos. Bem a cara desse grupo de Peculiares que já nos conquistou. E uma novidade é que as ymbrynes aparecem bem mais dessa vez. Gostei mais desse livro do que do anterior, e acredito que ela vai conseguir trazer um ápice no mesmo patamar da trilogia original. Se você está pensando se vale a pena ler essa segunda etapa da série, eu digo que vale sim a pena. Se você nunca leu nada da série (e ignorem aquele filme terrível, por favor), espero que deem uma chance a essa série, que começa mais devagar, mas deslancha cheia de energia e aventuras.



Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta



segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Resenha: "A Bela e o Ferreiro" (Tessa Dare)

 

Tradução: A. C. Reis

Sinopse: Diana Highwood estava destinada a ter um casamento perfeito, digno de flores, seda, ouro e, no mínimo, com um duque ou um marquês. Isso era o que sua mãe, a Sra. Highwood, declarava, planejando toda a vida da filha com base na certeza de que ela conquistaria o coração de um nobre. Entretanto, o amor encontra Diana no local mais inesperado. Não nos bailes de debute em Londres, ou em carruagens, castelos e vales verdejantes... O homem por quem ela se apaixona é forte como ferro, belo como ouro e quente como brasa. E está em uma ferraria...Envolvida em uma paixão proibida, a doce e frágil Diana está disposta a abandonar todas as suas chances de um casamento aristocrático para viver esse grande amor com Aaron Dawes e, finalmente, ter uma vida livre! Livre para fazer suas próprias escolhas e parar de viver sob a sombra dos desejos de sua mãe. Há, enfim, uma fagulha de esperança para uma vida plena e feliz. Mas serão um pobre ferreiro e sua forja o “felizes para sempre” de uma mulher que poderia ter qualquer coisa? Será que ambos estarão dispostos a arriscar tudo pelo amor e o desejo?

Por Jayne Cordeiro: "A Bela e o Ferreiro" faz parte da série Spindle Cove, escrita pela Tessa Dare. Ele é uma novela,  um livro menor, considerado o 3.5 da série. Eu gostei bastante da história, apesar de ela ser curta. Diana, é uma personagem já conhecida dos outros livros. Conhecida pela saúde frágil e pela pressão de ser a irmã mais bonita, entre as filhas Highwood. Dela se esperava um belo casamento com um nobre, mas ela guarda uma paixão pelo ferreiro da cidade. Aaron, um ferreiros jovem e próspero,  que também guarda sentimentos por Diana.

O livro já é interessante, exatamente por trazer como mocinho, uma pessoa de classe mais humilde. Eu gostei muito da forma como o relacionamento dos dois se desenrolou. Eles foram realistas ao tentar ver aonde esses sentimentos estavam indo, e ao lidar com as possíveis dificuldades de um relacionamento entre pessoas de classe tão diferentes. Eles não precisaram lidar com tanta pressão, porque a irmã de Diana, Minerva, já estava casada com um nobre, o que ajudou muito.

Além das ótimas cenas românticas,  o livro ainda trouxe uma pouco mais de foco em Charlotte, a irmã caçula de Diana, que terá um livro próprio. Como sempre acontece nessa série, a autora consegue trazer pontos leves e divertidos. Que neste livro, acontece até uma surpresa no final, com a resolução de um mistério. A história é recheada de romance e momentos divertidos. É um livro curtinho, mas bem gostoso de ler, e acabei em uma tarde. Como já comentei nas outras resenhas da série, eu super recomendo Spindle Cove, para quem gosta de romances de época. E com esse livro, não seria diferente.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta








sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Resenha: "A Dama da Meia-Noite" - Spindle Cove Vol. 3 (Tessa Dare)

 

Tradução: A. C. Reis

Sinopse: Pode um amor avassalador apagar as marcas de um passado sombrio? Após anos lutando por sua vida, a doce professora de piano, Srta. Kate Taylor, encontrou um lar e amizades eternas em Spindle Cove. Mas seu coração nunca parou de buscar desesperadamente a verdade sobre o seu passado. Em seu rosto, uma mancha cor-de-vinho é a única marca que ela possui de seu nascimento. Não há documentos, pistas, e nem ao menos lembranças... Depois de uma visita desanimadora para sua ex-professora, que se recusa a dizer qualquer coisa para Kate, ela conta apenas com a bondade de um morador de Spindle Cove, o misterioso, frio e brutalmente lindo, Cabo Thorne, para voltar para casa em segurança. Embora Kate inicialmente sinta-se intimidada por sua escolta, uma atração mútua faísca entre os dois durante a viagem. Ao chegar de volta à pensão onde mora, Kate fica surpresa ao encontrar um grupo de aristocratas que afirma ser sua família.Extremamente desconfiado, Thorne propõe um noivado fictício à Kate, permitindo-lhe ficar ao seu lado para protegê-la e descobrir as reais intenções daquela família. Mas o noivado falso traz à tona sentimentos genuínos, assim como respostas às perguntas de Kate. Acostumado com combates e campos de batalhas, Thorne se vê na pior guerra que poderia imaginar. Ele guarda um segredo sobre Kate e fará de tudo para protegê-la de qualquer mal que se atreva atravessar seu caminho, seja uma suposta família oportunista... ou até ele mesmo.

Por Jayne Cordeiro: "A Dama da Meia-Noite" é o terceiro da série Spindle Cove, da autora Tessa Dare. Os livros anteriores da série já foram resenhados aqui. Os protagonistas desse livro já são conhecidos dos outros livros, e sabemos que os dois não possuem uma boa relação. Mas agora eles acabam entrando em noivado falso, e acabam se aproximando mais. Quando falamos de um noivado falso, isso não é nenhuma novidade na literatura de romance de época. Mas, felizmente, as autoras sempre conseguem abordar esse tema de uma forma diferente. E aqui aconteceu a mesma coisa. 

Por mais que o casal precisasse fingir um noivado, não houve tanta interação deles com outras pessoas. E isso fugiu um pouco do padrão. Fora, que para eles, o noivado foi assumido como algo real, que teria um prazo de validade. Sobre os protagonistas, Kate carrega o peso de sua marca de nascença, que lhe dá um estigma, mas também carrega as dúvidas sobre seu passado desconhecido, já que é orfã, sem informações sobre sua família. Thorne é um homem sério, retraído, que também carrega um passado complicado, que ele prefere esconder. Por tudo isso, ele sempre procurou se afastar de Kate, por não e achar merecedor dela.

O livro foca muito nesse relacionamento em que o Thorne tenta se afastar e a Kate tenta se aproximar. E o legal, é que a Kate parte pra cima, não se deixa abater, e vai atrás das suas repostas. Gostei das interações deles. Não foi o meu casal favorito, mas vale a leitura. O livro tem bastante romance, mas também é bem divertido. Os moradores de Spindle Cove possuem um destaque muito legal,  e ajudam a dar um ar mais leve e divertido a história. O enredo sobre o passado da Kate também é interessante, e achei muito legal, a forma como tudo se resolveu no final. Apesar de ter uma cena, envolvendo o marquês, que poderia não ter acontecido, por achar meio forçado. Mas a ideia da série, é trazer diversão nessas situações inusitadas. De qualquer forma, foi um bom livro, trás ótimas qualidades. E vale a leitura.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


 
Ana Liberato