segunda-feira, 8 de maio de 2017

Resenha: "As mentiras que as mulheres contam" (Luis Fernando Verissimo)

Por Kleris: Conheci Luis Verissimo através de uma amiga comentando um conto do livro As mentiras que os homens contam uns bons anos atrás (meu Deus, 10 anos!). Outros tantos anos depois li e super curti na época – aliás, alguns contos guardo comigo até hoje. Daí claro que quando As mentiras que as mulheres contam saiu (2015) fiquei mega curiosa. Era o Luis Fernando Verissimo, ué! Humor, loucuras e grandes viradas eram as expectativas. Mas não foi isso que aconteceu. Muito pelo contrário.

As mentiras que as mulheres contam, paralelo ao livro anterior, é um livro de contos bem curtinhos – de duas a quatro páginas no máximo. São leituras para intervalo de afazeres ou salas de espera, quando você não tem muita expectativa, mas tá afim de ler algo. Espera-se, claro, contos envolvendo situações inusitadas em que a mentira seria a grande sacada da história, com bom humor e bom senso. Não é isso que Luis nos entrega.

— Vovó, você tem cartas do Juan Carlos da Espanha?
— Estão por aí, em algum lugar.
— E são cartas amorosas?
— Uuuuuuuuuuuuu...

Boa parte das historietas são sem foco, sem habilidade, sem sustentação. Tem conto sem pé nem cabeça, tem conto que perde o gancho, tem contos totalmente puláveis! Fora os textos maldosos machistas-mor que nem pra anedota servem, os que sugerem rir da violência doméstica (NÃO!) e textos em que as mulheres mal figuram, mal tem ponto de vista.
— Prometo não deixar mais minhas meias no chão se você prometer não ser tão desdenhosa de tudo.
Márcia sorriu do jeito que tinha, os contos da boca descendo em vez de subirem.
— Típico. — disse, com desdém.
— Olha aí — disse o Marcos.
— Meu querido, você sacrifica um mau hábito e pede que eu sacrifique um posicionamento moral!
Às onze e cinquenta e cinco, Marcos foi visto na rua correndo atrás de Márcia para acertá-la com uma garrafa de champanhe. A Márcia gritando:  — Típico! Típico!

Veríssimo, onde está você? O que foi isso? 
Foi essa minha sensação.

Alguns nomes de personagens são repetidos e fica a dúvida se se tratam dos mesmos personagens em outras situações ou outros personagens com o mesmo nome. Os temas rondam em sua maioria sobre relacionamentos amorosos, marido e mulher, traições, relações (extremamente) abusivas e até violência explícita. As conversações também são truncadas. Enfim, deixou muito mesmo a desejar.

A Estatueta foi praticamente o único que me deu o vislumbre de algo interessante. 
Dona Helena ia começar a dizer que não apenas não tinha tido mais contato com o poeta Maia Lins como não tinha menor ideia de quem era o poeta Maia Lins, quando a repórter deu um grito:  — A estátua!
Era uma estatueta, uma mulher nua com os braços estendidos, esculpida até os joelhos, que parecia tentar sair de dentro de um pedestal de mármore bruto. Estava sobre uma mesa alta no vestíbulo. A repórter passou por dona Helena e entrou na casa, fazendo sinal para que a câmera a seguisse:
— É a estátua. “Ninfa incompleta, presa à pedra bruta da existência...” É a senhora, não é?

É com pesar que escrevo: errou a mão dessa vez, Luis. Errou feio. 

Mas se é um livro desses que você procura, confira os melhores preços no Buscapé:



Curta o Dear Book no Facebook
Siga @dear_book no Twitter e @dearbookbr no Instagram

0 comentários :

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris