segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

Resenha: "A Rainha do Nada" (Holly Black)

 

Tradução: Regiane Winarski

Sinopse: Ele será a destruição da coroa e a ruína do trono.O poder é mais fácil de adquirir do que de manter. Jude aprendeu a lição mais difícil de sua vida quando abdicou do controle do Rei Cardan em troca de um poder imensurável.Agora, ela carrega o outrora impensável título de Grande Rainha de Elfhame, mas as condições são longe de ser ideais. Exilada por Cardan no mundo mortal, Jude se encontra impotente e frustrada enquanto planeja reivindicar tudo que Cardan tomou dela.A oportunidade surge com sua irmã gêmea, cuja vida está em perigo. Para salvá-la de uma situação tenebrosa envolvendo Locke, Jude decide voltar ao Reino das Fadas se passando por Taryn. Antes disso, porém, ela precisa confrontar os próprios sentimentos contraditórios pelo rei que a traiu.No entanto, ao voltar a Elfhame, Jude constata que tudo mudou. A guerra está prestes a eclodir, e ela caminha próximo a seus inimigos. Será que ela vai ser capaz de resgatar a Coroa e o amor incondicional de Cardan, ao mesmo tempo que destrói os planos de seus inimigos? Ou será que tudo está perdido para sempre?


Por Jayne Cordeiro: Em "A Rainha do nada", último livro da trilogia "O Povo do Ar", Jude está exilada de Elfhame, vivendo no mundo mortal. Ela não imaginava que sei título de rainha não seria suficiente para garantir sua posição no reino, e agora lida com os sentimentos contraditórios, relacionados à Cardan. A chance de voltar a Elfhame surge, quando sua irmã gêmea precisa de sua ajuda, para lidar com o marido Locke. Se passando por Taryn, Jude terá a chance de voltar ao reino e perceberá que as coisas andam bem complicadas, com o risco iminente de guerra contra seu pai de criação Madoc.

Posso dizer que esse livro foi a conclusão perfeita para a trilogia. Temos uma história carregada de emoções, com todas as relações intensas e complicadas entre Jude e seus familiares, além de Cardan. O peso de uma guerra, talvez difícil de vencer, paira sobre os personagens, com o desenvolvimento de planos e jogadas, como no xadrez. Jude precisa utilizar ainda mais sua inteligência, para garantir que o trono continuará nas mãos dela e de Cardan. Outros personagens também conseguem ganhar certo destaque, e não dá para descolar do livro, até chegar na última página.

O livro conseguiu manter a tensão no alto, com ótimos diálogos, interações e surpresas. Finalmente, pude ter um gostinho maior de Jude e Cardan juntos, e queria ter ainda mais disso, mas o livro é rápido, com muita coisa acontecendo. Mas não pensem que o livro é rápido e superficial. Aqui, ainda temos uma história envolvente, cheia de nuances, e com reviravoltas, como foi a marca registrada de toda a série. Foi uma ótima conclusão para a trilogia, apesar que temos um livro extra, que trás algumas cenas que se passam antes, durante e depois dessa trilogia. 


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta
sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Resenha: "Realidade Inesperada" (Kaylee Ryan)

 

Tradução: Carolina Caires Coelho

Sinopse: Da autora best-sellers do New York Times e do USA Today, Kaylee Ryan, um romance emocionante sobre um homem que de repente aprende a viver como pai solteiro. Espere o inesperado. É o que dizem, mas é mais fácil falar do que fazer. Como esperar uma mudança tão grande que afeta todo o seu mundo? Como se preparar para um acontecimento que transformará você para sempre? Uma respiração. Um segundo. Um minuto. Uma hora. Um dia por vez, e você aprende a viver com sua realidade inesperada.


Por Jayne Cordeiro: "Realidade Inesperada" nos apresenta Ridge Beckett, chefe de uma empresa de construção, que acaba conhecendo uma jovem, com quem passa uma noite. No dia seguinte, a moça já foi embora, e Ridge fica pensando no que poderia ter acontecido, se ela tivesse ficado. Meses depois, depois de ajudar uma mulher em um acidente de transito, ele caba recebendo uma surpresa inesperada, um lindo bebê, que é seu filho. Com o apoio da família e amigos, Ridge precisa lidar com a realidade inesperada de cuidar de uma criança, e ainda equilibrar sua vida como pai e um homem que ainda pode se relacionar.

Eu fiquei bem tensa sobre como resumir esse livro, porque a própria sinopse original não entrega muita coisa, e fui uma saca muito importante, porque esse livro não é nada do que o leitor espera. Porque  em um primeiro momento, pensamos "vai sair um daqueles romances em que o casal se conhece, tem um caso de uma noite, depois se separam, mas se reencontram meses depois devido a uma gravidez". "Realidade Inesperada" joga esse conceito no lixo em poucas páginas.

Ele te surpreende com uma reviravolta inesperada, segue por um rumo bem diferente, focado em um homem que assume querer ser o melhor pai possível, de uma criança super fofa, mas que também precisa equilibrar ter seus momentos de diversão e romance, e consegue te trazer ainda outras reviravoltas no final. Só posso definir essa história como muito fofa. Ridge é um personagem que faria qualquer mulher se apaixonar: bonito, com um ar meio bad boy, despojado e com tatuagens, mas responsável, cavalheiro e decidido. As cenas dele com o Knox são de fazer qualquer um sorrir.

A parte do romance também se desenvolve de forma super gostosa, lenta, mas doce. Parece algo bem real, em que o casal vai se conhecendo, e lidando com suas dúvidas e desejos. Não é um livro tão hot, quanto achei que seria, mas ainda assim tudo acontece no seu tempo, e o casal tem uma química muito boa. A mocinha é uma jovem doce, responsável, empática, e faz a gente gostar dela de cara. Eu gostei muito desse livro, a leitura é rápida, gostosa, e te prende, porque você quer ver mais do cotidiano desses personagens. A história é simples, mas foge do que esperaríamos que acontecesse, se fosse um livro mais clichê. Quem quer uma leitura divertida, doce, com um pouco de drama, que pode até de levar à lágrimas, recomento demais esse livro.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


segunda-feira, 29 de novembro de 2021

Resenha: "O Rei Perverso" (Holly Black)

 

Tradução: Regiane Winarski

Sinopse: Para sobreviver no Reino das Fadas, Jude Duarte precisou aprender muitas lições. A mais importante delas veio de seu padrasto: o poder é bem mais fácil de adquirir do que de manter. Ela achou que, depois de enganar Cardan para que ele jurasse obedecê-la por um ano e um dia, sua vida se tornaria mais fácil. Mas ter qualquer influência sobre o Grande Rei de Elfhame parece uma tarefa impossível, principalmente quando ele faz de tudo em seu poder para humilhá-la e prejudicá-la, mesmo que seu fascínio pela garota humana permaneça intacto. Agora, com as ondas ameaçando engolir a terra e um alerta de traição iminente, Jude precisa lutar para salvar a própria vida e a daqueles que ama, além de lutar contra seus sentimentos conflituosos por Cardan no meio-tempo. Em um mundo imortal, um ano e um dia não são nada...


Por Jayne Cordeiro: "O Rei Perverso" é o segundo livro da trilogia "O Povo do ar", escrito pela Holly Black. Neste livro, Jude conseguiu realizar seus planos, colocando Cardan como Grande Rei, mas sendo obrigado a obedecer todas as suas ordens. É claro que ele não está nada feliz com a quebra da confiança que depositou na jovem, e está ainda mais propenso a tratá-la do pior jeito possível. Contudo, seus sentimentos por Jude continuam sendo motivo de conflito, com a jovem também tentando entender o que acontece com o próprio coração. Enquanto isso, o reino precisa se adaptar ao novo rei, e antigas alianças serão colocadas à prova. A ameaça de traição pode partir de todos os lados, e Jude vai fazer de tudo para garantir seu lugar no reino, e a segurança de sua família.

O final do último livro foi bem inesperado, e fiquei curiosa para ver como a relação de Jude e Cardan se desenvolveria, depois do que aconteceu. Não vou mentir, que achei o Cardan bem menos "perverso" do que imaginei, pelo título ou sinopse do livro, e ainda não senti uma grande coisa entre a Jude e o Cardan. Novamente, achei Jude uma personagem muito interessante, nada boba, na busca por continuar no topo, e ainda equilibrando seu desejo de poder com seus ideais de certo e errado. Uma mocinha que não pensa duas vezes antes de resolver as coisas com sangue, e inteligência.

Cardan continua conquistando, com seu jeito despojado, mas com todo o poder da realeza. É um personagem que mostra ter muito escondido debaixo de sua máscara. Mas queria ter tido mais cenas, além das que teve, entre ele e Jude, com todo a tensão que envolve o casal. Fora isso, a história é bem construída, com várias situações inesperadas, reviravoltas, lutas e relacionamentos complexos. É uma leitura rápida, dinâmica, que leva o leitor a um final ainda mais inesperado, e que nos deixa sem saber o que virá a seguir. Para quem gosta do gênero fantasia, essa série tem se mostrado leitura obrigatória.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


sexta-feira, 26 de novembro de 2021

Resenha: "A vida invisível de Addie Larue" (V. E. Schwab)

 

Tradução: Flavia de Lavor

Sinopse: França: 1714. Addie LaRue não queria pertercer a ninguém ou a lugar nenhum. Em um momento de desespero, a jovem faz um pacto: a vida eterna, sob a condição de ser esquecida por quem a conhecer. Um piscar de olhos, e, como um sopro, Addie se vai. Uma virada de costas, e sua existência se dissipa na memória de todos.Após tanto tempo vivendo uma existência deslumbrante, aproveitando a vida de todas as formas, fazendo uso de tantos artifícios quanto fosse possível e viajando pelo tempo e espaço, através dos séculos e continentes, da história e da arte, Addie entende seus limites e descobre — apesar de fadada ao esquecimento — até onde é capaz de ir para deixar sua marca no mundo.Trezentos anos depois, em uma livraria, um acontecimento inesperado: Addie LaRue esbarra com um rapaz.Ele enuncia cinco palavras.Cinco palavras capazes de colocar a vida que conhecia abaixo:Eu me lembro de você. 


Por Jayne Cordeiro: Em "A vida invisível de Addie Larue", conhecemos Addie, uma jovem que nasceu no século XVIII, e que nunca gostou da ideia de passar toda a vida em uma pequena vila, no interior da França. Em um momento de desespero, ela recorre aos deuses de quem ouviu falar, e acaba fazendo um pacto em troca da sua alma: não ter laços com nada nem ninguém. Assim, ela é capaz de abandonar tudo e seguir para onde quiser. Mas isso vem com um preço. Ninguém lembra de Addie, no momento em que ela se afasta.  

Esquecida por todos, e nunca lembrada, ela precisa se adaptar a sua nova vida, enquanto permanece jovem, e passa por diversas situação no decorrer dos séculos. Nos dias atuais Addie já está acostumada com a infelicidade de não ficar na memoria de ninguém. Mas qual a sua surpresa, quando de repente, um jovem a reconhece. Como isso é possível? Será mais uma artimanha na tentativa de fazê-la desistir e finalmente entregar sua alma? 

Comecei esse livro sem expectativas, apesar de achar a sinopse muito interessante. Uma mistura de fantasia, dentro da nossa realidade. A ideia de alguém que não envelhece ou morre, mas que não é lembrada por ninguém, no momento seguinte ao que sai de perto da pessoa, abre grande possibilidades em uma história. Como constituir uma rotina, quando ninguém lembra de você? Como se apaixonar, se no dia seguinte, a outra pessoa não lembra do que passaram juntos? Tudo isso é explorado nessa obra maravilhosa, com personagens complexos, e situações únicas.

A protagonista é uma jovem que amadurece muito, que se manter forte, apesar de todas as dificuldades que passa. Junta a isso temos Luc, o deus que fez o pacto, que se torna presença constante no decorrer dos anos, e que cria as melhores cenas, junto com Addie. Os diálogos deles, o embate frequente para saber que vai desistir ou ganhar o pacto feito anos atrás, é a parte mais interessante desse livro. E temos também Henry, um jovem nerd e comum, mas que também carrega dúvidas sobre a sua vida, e que por um mistério, consegue lembrar de Addie. 

Como disse, são personagens complexos, com situações reais, e dúvidas e ações que podem partir de qualquer um. Um livro bem escrito, longo, mas que te prende a cada página, e que poderia ter mais duzentas páginas, que eu ficaria feliz. É uma daquelas leituras que marcam, e que faz a gente continuar pensando nele, dias depois que a leitura acabou. Recomendo com certeza!


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Resenha: "O Príncipe Cruel" (Holly Black)

 

Tradução: Regiane Winarski

Sinopse: Jude tinha apenas sete anos quando seus pais foram brutalmente assasinados e ela e as irmãs levadas para viver no traiçoeiro Reino das Fadas. Dez anos depois, tudo o que Jude quer é se encaixar, mesmo sendo uma garota mortal. Mas todos os feéricos parecem desprezar os humanos... Especialmente o príncipe Cardan, o mais jovem e mais perverso dos filhos do Grande Rei de Elfhame.Para conquistar o tão desejado lugar na Corte, Jude precisa desafiar o príncipe - e enfrentar as consequências do ato.A garota passa, então, a se envolver cada vez mais nos jogos e intrigas do palácio, e acaba descobrindo a própria vocação para trapaças e derramamento de sangue. Mas quando uma traição ameaça afogar o Reindo das Fadas em violência, Jude precisará arriscar tudo em uma perigosa aliança para salvar suas irmãs - e a própria Elfhame.Cercada por mentiras e pessoas que desejam destruí-la , Jude terá que descobrir o verdadeiro significado da palavra poder antes que seja tarde demais.

Por Jayne Cordeiro: "O príncipe Cruel" é o primeiro livro da trilogia "O povo do ar", escrita pela Holly Black. Neste primeiro livro, Jude é uma mortal que foi levada, junto om suas irmãs, para o reino das fadas. Lá ela viveu os últimos dez anos, tentando se encaixar em uma sociedade de féericos, onde mortais são desprezados pela maioria do povo. E onde ela é obrigada a conviver com o príncipe Cardan, que parece odiar tudo o que envolve Jude , e não mede esforços para fazer da vida dela bem difícil.

Na intenção de conseguir seu lugar na sociedade féerica, e superar Cardan, Jude precisa lidar com intrigas, espiões, a segurança da sua família, em meio a uma traição, que colocará o reino das fadas em risco, e onde ela terá que tomar decisões difíceis se quiser garantir seu lugar na corte, e sem grandes perdas.

Já tinha ouvido falar muito dessa série, mas nunca tinha tido a chance de ler. Pois finalmente comecei, e agora entendo toda a fama que ela tem. Eu já li alguns livros ambientado em reinos de fadas, principalmente nesse perfil, como livros da Cassandra Clare, e até mesmo Sarah J. Maas. Mas aqui, temos um reino que se aprofunda mais nessa definição, e que trás suas próprias peculiaridades. Gostei bastante do universo que fomos apresentados, e toda ideia de como o trono é passado adiante, foi muito bem elaborada. Criando um jogo, bem mias complexo, do que apenas matar para ser rei.

Jude é uma personagem forte, que sabe o que deseja para seu futuro, com uma ambição, que muitas vezes não vejo em heroínas. Ela não segue uma linha fixa do que é certou ou errado, com uma mente inteligente, e com ótimas habilidades de guerreira. Cardan, o inicial "bully" da história, é um personagem que promete apresentar ainda mais camadas, além do que já deu para ver nesse livro. E é um personagem com tudo que a maioria das leitoras gosta, bonito, cínico, debochado e carismático. Mas aqui, não dá pra ter certeza sobre o que ele faria ou não para sobreviver ou se vingar.

Toda a história é bem desenvolvida, com as coisas acontecendo na hora certa, com todo o seu desenvolvimento. Existe várias reviravoltas, tanto em situações, quanto em personagens. Dá pra perceber que tem toda uma complexidade nessa história, que promete muita coisa para os livros seguintes, e fiquei bem curiosa para perceber.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta

segunda-feira, 15 de novembro de 2021

Resenha: "Não Existe Amanhã" (Luke Jennings)

 

Tradução: Leonardo Alves

Sinopse: Em um quarto de hotel em Veneza, onde acabou de concluir um assassinato de rotina, Villanelle recebe um telefonema tarde da noite.

Eve Polastri, a funcionária do governo inglês que está em seu encalço há meses, conseguiu rastrear um oficial do MI5 a serviço dos Doze e está prestes a levá-lo a interrogatório. Enquanto Eve se prepara para procurar respostas, tentando desesperadamente encaixar as peças de um terrível quebra-cabeça, Villanelle avança para o abate.
O duelo entre as duas mulheres se intensifica, assim como sua obsessão mútua, com a ação passando dos altos picos do Tirol até o coração da Rússia. Eve enfim começa a desvendar o enigma da identidade de sua adversária, e Villanelle se pega correndo riscos cada vez maiores para se aproximar da mulher que pode ser sua ruína.


Por Jayne Cordeiro: "Não Existe Amanhã" é o segundo livro da trilogia de Luke Jennings, que deu origem a série de TV "Killing Eve". Sendo que o primeiro livro já foi resenhado na nossa página, no ano passado. Nesta continuação, temos ainda o jogo de gato e rato entre Villanelle, uma assassina profissional e sem emoções, e Eve Polastri, a responsável pela investigação que segue atrás da identidade de Villanelle, e de sua captura. 

Enquanto Villanelle continua cumprido suas missões, ela não consegue deixar de lado a necessidade de manter Eve seguindo seus passos. Da mesma forma que Eve não consegue abandonar a investigação, certa de que está cada vez mais perto de conseguir pegar a mulher que matou seu colega de trabalho, e tem matado diversas outras pessoas pelo mundo, sem ser descoberta.

Eu tinha ficado com um pé atrás, em relação ao primeiro livro, porque ele acabou de forma muito abrupta, como se faltasse outras páginas. O primeiro livro também funciona muito mais como uma introdução, mostrando o passado de Villanelle, importante para esse livro, e como Eve acabou parando nessa investigação. Mas este segundo livro conseguiu sem bem melhor que o primeiro, com a história se desenvolvendo mais, e com nossas duas protagonistas, se relacionando de forma mais próxima.

É uma verdadeira história de espionagem, com viagens e investigações, disfarces e mortes elaboradas. Temos ação, mistérios e dramas. A forma como Villanelle e Eve se conectam é muito interessante de ver, mostrando uma evolução nos pensamentos e comportamentos, de ambas as mulheres. A história é curta (achava até que poderia ser um único livro em vez de três), mas consegue ser bem completa e prender o leitor até o final, com uma bela surpresa no final. Fiquei bem curiosa quanto ao que vem por aí.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


sexta-feira, 12 de novembro de 2021

Resenha: "Pequena coreografia do adeus" (Aline Bei)

Por Thaís Inocêncio: Em abril, tive o prazer de participar do evento virtual "Cabine de leitura", promovido pela Companhia das Letras, sobre o livro Pequena coreografia do adeus, com a presença de Aline Bei. 

Na ocasião, ouvi de Aline que, se o verbo que permeia seu primeiro livro, O peso do pássaro morto, é “perder”, o que envolve Pequena coreografia do adeus é “sonhar”. E a única coisa de que Júlia precisa para realizar seu sonho é ela mesma.⁣

⁣Criada em uma família disfuncional, Júlia Terra vive uma infância marcada por traumas e violências que a fazem querer desaparecer, como uma música que deixa de tocar. Sem conseguir estabelecer laços afetivos nem mesmo com os pais, Júlia é constantemente silenciada e empurrada para a solidão. No entanto, ao iniciar um diário, ela encontra na escrita seu lugar de fala, sua voz, o que alimenta o sonho de se tornar escritora.⁣

as surras que eu levava

eram as surras que a minha mãe levou em looping

na minha pele, na pele dos filhos que ainda não tenho

O ciclo de abandono começa a se romper quando Júlia, já crescida, passa a trabalhar em um café e deixa a casa da mãe. Ela vai morar em uma pensão que tem uma história de resistência e foi salva por uma mulher, a viúva Argentina. A conexão com o próprio local, sua dona e seus hóspedes mostra à Júlia que, se quiser, ela pode flutuar ou ser qualquer coisa sem pés no chão.⁣

os estranhos não nos doem porque ainda não nos decepcionaram

e se mantivermos tudo a uma boa distância: seguirão sendo

essa doce incógnita.

⁣Acompanhar a coreografia do amadurecimento de Júlia é tão emocionante quanto apreciar a dança das palavras de Aline Bei. Em seu novo livro, ela mantém a prosa estruturada em versos, como no “pássaro”, mas aqui ela acrescenta um ingrediente novo: a esperança. Recomendo que a leitura seja feita na versão física, porque a distribuição das palavras na página fazem toda a diferença. A escrita tão próxima e sensível dessa autora-artista provoca em mim uma vastidão de sentimentos, nem todos decifráveis.⁣

sabíamos que a vida

ainda que fosse a nossa maior ruína era também a nossa única salvação.

⁣Cinco estrelas cheias de brilho pra essa obra.

Até a próxima, pessoal!


Curta o Dear Book no Facebook
Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta
segunda-feira, 8 de novembro de 2021

Resenha: "Namorado Modelo" (Stuart Reardon e Jane Harvey-Berrick)


Tradução: Natalie Gerhardt

Sinopse: Será que um casal apaixonado consegue sobreviver às tentações de um mundo de luxo e glamour?Imagine como seria namorar um dos homens mais bonitos do mundo. Um homem cujo rosto está estampado em todas as capas de revistas. Não tão divertido quanto parece ― é o que Anna Scott logo descobrirá. Aposentado do rugby aos 33 anos, não demora para Nick receber um convite para trabalhar como modelo fotográfico. Mas, por trás da fachada glamorosa, se esconde uma horrível realidade: drogas, álcool, todos os pecados capitais e muitas pessoas dispostas a dormir com outras para conquistar seu lugar ao sol.É uma vida muito difícil, principalmente para quem está em um relacionamento sério. E Nick precisa aprender rápido a desviar das armadilhas desse caminho ou correrá o risco de perder tudo ― inclusive a mulher da sua vida.


Por Jayne Cordeiro: "Namorado Modelo" é o segundo livro publicado por essa dupla de atores, e acaba sendo uma continuação de "Imbatível", que já foi resenhada aqui no blog. Este agora se passa alguns anos após o primeiro, e Nick está se aposentando do Rugby. Após uma carreira de sucesso, ele precisa decidir o que vai fazer após se aposentar. Abalado com a falta que o rugby lhe faz, Nick acaba aceitando fazer uma campanha publicitária, e embarca em uma nova profissão como modelo fotográfico.

Agora ele vai precisar lidar com o mundo difícil e acirrado que é o da moda, onde pessoas estão dispostas a tudo pela fama e sucesso. Nick precisa aprender seus limites, e o que está disposto a fazer dentro desse ramo, além de equilibrar sua vida pessoal e profissional, para encontrar seu futuro, junto de Anna, a mulher que ama, e que também precisará lidar com suas próprias dúvidas.

Fiquei surpresa de saber que havia uma continuação para "Imbatível", mas como gostei bastante do primeiro, fui logo correndo atrás do segundo. Para começar, achei essa capa maravilhosa para a história. Foi uma ótima ideia, e combina perfeitamente, sendo ainda como o mesmo modelo na capa, que por sinal é um dos autores, e também ex jogador de rugby. Uma coisa que me atraiu aqui foi o fator de nos aprofundarmos no mundo da moda, através dos olhos de alguém que também não está familiarizado com isso.

O livro também trás um tema bem legal, sobre depressão e como fica a mente e a vida de uma pessoa que se dedicou tanto à uma profissão, mas precisa abrir mão dela, ainda tão jovem. Às vezes, dava uma vontade de sacudir o Nick, mas ao mesmo tempo dava para entender e comprar, a forma como a mente dele funcionava. Anna é uma personagem incrível, forte, guerreira, que tenta ser madura para lidar com os problemas do Nick, mas que também é humana, que comete suas falhas, com suas incertezas. O mais legal aqui, é que os personagens são muito reais, com uma história real.

Os personagens secundários, e aqui a menção é clara para o Brenda, assistente da Anna, e personagem incrível, que ganhou até um ótimo destaque aqui. "Namorado Modelo" é uma ótima continuação, ainda abordando o papel da mídia na vida das pessoas, com uma dose certa de romance, drama e diversão. É uma leitura que flui rápido, gostosa, e que dá aquele gostinho de satisfação quando chega no fim. Para quem gosta de um romance ambientada no esporte, com uma história simples, mas que compensa no drama, com uma pegada real, esse livro é a pedida certa.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta




sexta-feira, 5 de novembro de 2021

Resenha: "Garota, 11" (Amy Suiter Clarke)

 

Tradução: Helen Pandolfi

Sinopse: Elle Castillo é a apresentadora de um podcast popular sobre crimes reais. Depois de quatro temporadas de sucesso, ela decide encarar um caso pelo qual sempre foi obcecada ― o do Assassino da Contagem Regressiva, um serial-killer que aterrorizou a comunidade vinte anos atrás. Suas vítimas eram sempre meninas, cada qual um ano mais jovem que a anterior. Depois que ele levou sua última vítima, os assassinatos pararam abruptamente. Ninguém nunca soube o motivo.

Enquanto a mídia e a polícia concluíram há muito tempo que o assassino havia se suicidado, Elle nunca acreditou que ele estava morto. Ao seguir uma pista inesperada, no entanto, novas vítimas começam a aparecer. Agora, tudo indica que ele está de volta, e Elle está decidida a parar sua contagem regressiva.


Por Jayne Cordeiro: "Garota, 11" é um suspense focado em Elle Castillo, uma investigadora independente, e apresentadora do podcast "Justiça Tardia". Nos episódios da nova temporada do podcast, Elle está investigando o Assassino da contagem regressiva, que cometeu crimes contra jovens mulheres e adolescentes anos atrás, caindo de 21 a 11 anos de idade, até que parou misteriosamente. Muitos acreditam que ele morreu, mas Elle quer descobrir sua identidade, e acredita que o assassino ainda está vivo. 

Na medida em que entrevista familiares de vitimas, profissionais que atuaram na investigação e segue novas pistas deixadas por seus ouvintes, Elle vai desvendando a teia que envolve o caso, e tudo fica mais complicado, quando um novo assassinato ocorre, e parece que o assassino volta a atuar.

Eu peguei esse livro sem expectativa nenhuma, mas fiquei imersa nele. Gostei da ideia de utilizar entrevistas em um podcast para juntar informações sobre o assassino e seus crimes, e tornando esses relatos, os momentos do passado, enquanto acompanhamos Elle com o presente, em que novas vitimas surgem. A história se desenrola bem, apresentando a protagonista e seus personagens secundários, e entrelaçando fatos de forma bem concisa. 

Existe uma surpresa revelada durante o livro que não me surpreendeu em nada, mas ainda assim, torna toda a história ainda mais especial. Para quem gosta de livros ou filmes de suspense, não vejo como não gostar desse aqui. Tem todo o relato sobre o assassino e como seus crimes acontecem, discussão sobre suas motivações e porque realizada determinados atos, mas também mostra as consequências de um crime para as famílias e vitimas, e os profissionais envolvidos na resolução desses crimes. 

Foi uma leitura rápida, envolvente e bem escrita. Nunca li nada da autora, e achei que ela soube misturar bem passado e presente, utilizando o poder da narrativa em primeira pessoa, dando chance de ouvirmos exatamente o que a protagonista está pensando, através de suas narrações para o podcast. Fiquei bem satisfeita com várias das participações secundárias, como do marido da Elle e da afilhada deles.  Recomendo com certeza, para quem gosta do gênero.



Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta




terça-feira, 19 de outubro de 2021

Resenha: "Imbatível" (Stuart Reardon e Jane Harvey-Berrick)

 

Tradução: Claudia Costa Guimarães

Sinopse: Para Nick Renshaw, o rugby é a coisa mais importante de sua vida ― mais importante até do que sua namorada, Molly. Seu empenho e sua determinação fizeram dele o garoto de ouro do rugby inglês e garantiram um contrato com um importante clube. E ele não consegue imaginar o que seria de sua vida sem isso. Então, quando sofre uma grave lesão que pode significar o fim de sua carreira, Nick vê seu mundo desmoronar. Como se não bastasse ter a vida profissional abalada, ele ainda é abandonado e traído pelas pessoas que mais ama. Sozinho e sem rumo, Nick está lutando com todas as suas forças para recomeçar do zero. Mas há alguém que parece capaz de ajudá-lo: Anna Scott, sua psicóloga. O problema é que nenhum dos dois consegue negar a atração que sente pelo outro ― e manter a relação estritamente profissional se torna mais difícil a cada dia que eles passam juntos. No entanto, quando o passado de Nick volta para assombrá-los, desistir parece o caminho mais fácil para os dois. Mas será que, depois de tantos golpes do destino, eles conseguirão se reerguer e se tornar imbatíveis?


Por Jayne Cordeiro: Em "Imbatível", conhecemos Nick, um jogador de rugby, que conseguiu no último jogo, antes de se tornar parte de um time da primeira liga, uma lesão que vai deixá-lo fora do campo, e com o peso de talvez não poder jogar nunca mais. Para completar ele terá que lidar com uma traição, que vai colocá-lo na mídia, e mostrar como sua vida pode ser destruída com poucas palavras. A única coisa positiva nos últimos tempos será a psicóloga de esporte Anna Scott, que o ajudará a lidar com a sua mente, e garantir que ele consiga dar o seu melhor. Só que sentimentos começam a surgir entre eles, o que pode trazer mais um problema, quando precisam manter a relação profissional. 

Eu peguei esse livro para ler, porque já tinha lido uma duologia da autora, que inclusive resenhei aqui, e fiquei curiosa pela parceria da autora, com um ex jogador de rugby conhecido. Mas não é que a parceria deu certo? Ele conseguiu passar todos os pensamentos e emoções de um jogador com futuro em risco, enquanto a autora, trouxe o romance e suas dificuldades, que já me atraiu tanto em seus livros anteriores. Gostei de conhecer esse universo novo do Rugby, um esporte que nunca vi ser explorado em romances (virei especialista em hóquei no gelo, graças à Elle Kennedy). E comprei totalmente as dúvidas e reações do protagonistas.

Nick é um homem bonito, atencioso e educado, mas também é uma pessoa bem real, que perde o controle, que carrega dúvidas e inseguranças, e o jeito de falar ou se comportar dele, é do tipo que você realmente veria em outra pessoa. Já a Anna é uma ótima personagem, que sabe o que dizer e como agir, para ajudar ao outro. Mas que também vai precisar de suporte, quando ela tiver as suas próprias incertezas. Os dois fazem um casal muito bom, que me atraiu desde o começo.

O livro aborda limites profissionais, diferenças entre países, relações de poder, a pressão por sucesso e carreira, e o mais interessante pra mim, o poder da mídia dentro das nossas vidas, e o impacto que ela tem no fazemos ou pensamos de nós e dos outros. A escrita é gostosa e envolvente, e a leitura passa bem rápido. É um romance bem legal, com o rugby como plano de fundo. Vale a pena dar uma conferida. E descobri que o livro tem uma continuação chamada "Namorado Modelo", que já estou lendo, para trazer a resenha depois pra vocês.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Resenha: "Quase Rivais" (J. Sterling)

 

Tradução: Ricardo Lelis

Sinopse: James é louco por sua vizinha Julia... Julia brilha e se arrepia cada vez que esbarra com James... a combinação seria perfeita se suas famílias não fossem rivais há gerações. E, como se não bastasse, os dois são concorrentes no trabalho. Mas, mesmo com tudo jogando contra, quanto mais tentam resistir, mais forte fica o desejo. James e Julia entendem que precisam se manter afastados. O problema é: como? J. Sterling, autora conhecida por seus romances incríveis, recria em Quase Rivais a maior história de amor de todos os tempos. Neste Romeu e Julieta dos tempos modernos, há alguns detalhes que se repetem, mas o que poderia ser diferente?


Por Jayne Cordeiro: Em "Quase Rivais", de J. Sterling, conhecemos James e Julia. Os dois são membros de duas famílias vizinhas e rivais à gerações. Desde crianças foram orientados a não se aproximar um do outro, e a odiar tudo envolvendo a outra família. O problema é que desde novos, os dois nutrem sentimentos um pelo outro. Como uma versão moderna de "Romeu e Julieta", será que os dois estão dispostos a ir contra a rixa de família, e seguir atrás desse romance, ou vão se manter distantes, apesar da atração cada vez maior entre eles?

"Quase Rivais" foi um livro muito gostoso e rápido de ler. Ótima opção para aliviar a mente, e curtir um romance rápido e divertido. Gostei de como os protagonistas já começam com toda essa bagagem passada e já sabem que nutrem sentimentos um pelo outro. Enquanto James já dá como certo que precisa dar um jeito de ficar com Julia, ela luta contra tudo o que envolve ele, devido ao medo de ser deserdada pelo pai, e dono da vinícola onde trabalha. Sendo assim, cabe a James a tarefa de acabar com as inseguranças dela, e mostrar que é possível superar décadas de rancores, e dar um final feliz para essa história.

Os protagonistas tem uma química ótima. Também adorei os amigos deles, aquele tipo amigo que sabe dos sentimentos que os protagonistas tentam disfarçar e ficam tentando colocar as coisas para andar. Me diverti muito com eles, e até mesmo com os membros da pequena cidade onde todos vivem, que já conhecem toda a história da família, e parecem saber mais sobre esse romance, do que os próprios mocinhos.

A história é rápida, mas ainda assim bem escrita e completa. Não há muito tempo para dramas ou enrolações, e a história nos conquista rápido também. Já tinha lido outro livro da autora, e continua achando a escrita dele bem envolvente, dinâmica, e que consegue fluir sem enrolar demais, e trazendo reações e comportamentos bem reais. Consegui ler em uma tarde, e achei a capa bem fofinha, com a cara da história. O romance fica no ar, o tempo todo, com direito a algumas cenas hots, e flashs do passado, mostrando toda a história do casal. Como disse, é um livro gostoso de ler, sem grandes expectativas ou grandes plots, mas cumpre a ideia ao qual se propõe, e recomendo com certeza!


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta



segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Resenha: "Entrega" (J. C. Reed)

 

Tradução: Julio de Andrade Filho

Sinopse: Sem a paixão, não nos entregaríamos e conquistaríamos aquilo que nunca julgamos ser nosso. As verdadeiras histórias de amor não têm finais felizes. Para aqueles que o valorizam, o verdadeiro amor é infinito.

Existem amores indecifráveis, que não enxergam distâncias, desafiam o tempo, fazem com que qualquer obstáculo seja superado e dispensam justificativas ou explicações. Brooke Stewart pode dizer que já viveu uma verdadeira montanha-russa de sentimentos desde que conheceu Jett, o homem mais envolvente e arriscado de sua vida. Como agente imobiliária workaholic em Nova York, ela não havia conhecido o amor até cruzar com os olhos verdes que lhe tiraram o bom senso: alto, sexy e arrogante, Jett era tudo aquilo do qual ela havia jurado ficar longe.

Jett Mayfield sabe que finalmente encontrou alguém capaz de envolvê-lo e desafiá-lo no momento em que coloca os olhos em Brooke, e não mede esforços para mantê-la em sua vida... e em sua cama. O futuro parece maravilhoso, mas quando o passado começa a persegui-los é preciso fazer escolhas difíceis. Salvar a quem se ama significa se despir de limites. No terceiro livro da série que conquistou o mundo, você perderá o sono até chegar à última página. O amor de Brooke e Jett passará por um novo teste: será ele forte o suficiente para superar essa prova definitiva?


Por Jayne Cordeiro: "Entrega" é o último livro da trilogia "Sr. Estranho". No final do livro anterior, as coisas parecem ter se resolvido, e Jett e Brooke estão de volta ao Estados Unidos. Tudo parece estar indo bem, com Brooke assumindo um novo cargo na empresa, e seu relacionamento com Jett cada vez mais forte. Mas o misterioso clube ainda ronda o casal, colocando a vida de todos em risco.

Juntos, eles precisam descobrir mais sobre o grupo e  quem é o líder. Além de sobreviver aos perigos, vamos conhecer mais sobre o passado misterioso de Jett, com direito a corridas clandestina, gangues e revelações surpreendentes.

Vou logo dizendo que achei esse livro uma conclusão bem no nível do resto da série. A trilogia não me conquistou muito, apesar de a leitura ser interessante e te segurar até o fim. De todos, gostei mais do segundo, depois vindo esse último. O livro foi uma oportunidade de focar mais no passado de Jett, já que nos anteriores vimos bem mais da vida de Brooke. As cenas envolvendo os amigos do passado de Jett, foram bem legais. Jett e Brooke estão ainda mais sintonizados, e é um casal bem gostosinho de acompanhar. 

Aqui temos várias respostas, para perguntas que foram lançadas nos livros anteriores, e algumas informações foram bem surpreendentes. Teve uma coisinha ou outra que acabou ficando sem resolução, mas não foi nada que afete a história. No geral, toda a história é interessante, trás um tema forte de fundo, mas é uma história que não me fez suspirar.  Não me conquistou, de me deixar ansiosa para ler um próximo livro, mas ainda assim, não vi nenhum grande defeito. Acho que vai muito do gosto de cada leitor, e acredito que vale a pena dar uma chance para essa história.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta








sexta-feira, 8 de outubro de 2021

Resenha: "A inquilina de Wildfell Hall" (Anne Brontë)

 

Tradução: Debora Landsberg

Sinopse: Gilbert Markham está intrigado com Helen Graham, a bela e misteriosa mulher que acabou de se mudar para Wildfell Hall com o filho e sem o marido. Gilbert é rápido em oferecer amizade, mas, quando o comportamento recluso da inquilina começa a ser motivo de fofoca na cidade, ele se pergunta o que mais pode haver na história daquela família.

Quando Helen permite que Gilbert leia seu diário, ele começa a entender os detalhes obscuros de sua vida, seu casamento desastroso e a situação em que a vizinha se encontra.

Por Jayne Cordeiro: "A inquilina de Wildfell Hall"  foi o segundo e último romance, publicado pela Anne Brontë, a irmã mais nova, e menos conhecida, entre as escritoras da família. Suas irmãs são conhecidas pelos romances "Jane Eyre" e " Morro dos Ventos Uivantes". Neste livro da Anne, conhecemos o jovem Gilbert, um rapaz com posses, mas simples, que vive no interior da Inglaterra, e que está contando para um amigo, através de cartas, uma história de sua vida. É através dele que conhecemos Helen Graham, uma viúva que vai morar com filho pequeno em Wildfell Hall, e que não faz muita questão de socializar com a pequena comunidade do local.

O mistério envolvendo sua história levanta suspeitas em todos, e acaba atraindo a atenção de Gilbert, que se aproxima da jovem viúva. Para que ele entenda sua situação, Helen lhe entrega seu diário, para que ele entenda como ela chegou aquele lugar, e porque seus caminhos podem não se entrelaçar.

Apesar de ser uma fã de "Jane Eyre" e "Morro dos Ventos Uivantes", nunca tinha lido nada da Anne Brontë antes, mas recentemente tive essa chance, e me surpreendi bastante. Para mim, esse livro tem uma pegada menos romântica do que os outros, mas ainda assim tem uma história muito envolvente, e retrata temas bem incomuns para a época, o que provocou muitos comentários, no período em que foi lançado. O livro já interessante por trazer dois períodos, narrados por personagens diferentes, Gilbert e Helen. Gilbert é um jovem que se apaixona por Helen, apesar dos cometários e do fato de ela ser viúva. Mas apesar de parecer atender a seus sentimentos, Helen é taxativa em não se envolver, e através de seus relatos, ficamos sabendo o porquê.

Este livro é considerado um dos primeiros livros feministas da época, por trazer uma protagonista que sabe se impor perante seu marido, e que toma decisões pensando no seu próprio bem estar. Além de trazer temas como alcoolismo e suas consequências, infidelidade, depravação e uma mulher quebrando regras sociais. Apesar de achar Helen boazinha demais, com quem não merecia, em alguns momentos, adorei seu posicionamento na hora em que as coisas chegavam a determinado limite. Uma personagem na era vitoriana que não deixava de falar seus pensamentos e ser firma no que achava correto.

Apesar de ter determinados pontos agridoces, o livro tem o final que imagino satisfazer a todos os leitores, pelo menos eu fiquei bem feliz com o final, e me espantei, como consegui acabar essa leitura rápida, apesar de ser um estilo livro que se deve ter muito atenção na leitura. Essa edição ainda conta com um prefácio de um especialista, falado sobre a obra e suas influências, e um comentário da própria autora, que imagino tenha sido publicado nas edições seguintes, após seu lançamento.

Anne Brontë se mostra tão digna de sua reputação através do tempo, como qualquer uma de suas irmãs, e para quem gosta de um bom clássico inglês, esse livro tem que fazer parte da sua leitura, e da sua estante também.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


sexta-feira, 24 de setembro de 2021

Resenha: "Conquista" (J. C. Reed)

 

Tradução: Júlio de Andrade Filho

Sinopse: Encontrar Jett foi um verdadeiro azar. Perigoso, imprevisível. Um cara que era melhor evitar. Nesse jogo, porém, as apostas são altas. Vale a pena o risco?A continuação da história de Brooke e Jet mergulha de vez nas armadilhas do amor e da sensualidade.Brooke Stweart sempre achou que esquecer é algo muito difícil. Entretanto, perdoar é impossível. Quando o homem em que ela confiava a traiu, a única opção que ela tinha era seguir em frente. Brooke está determinada a começar uma nova vida, até que reencontra Jett: aqueles olhos verdes, sexy como o pecado. O homem que ela desejava. O homem que jogava sujo. O homem que a enganou.Lindo e arrogante, Jett Mayfield sabe que cometeu erros. Ele poderia ter qualquer outra mulher que desejasse, mas era Brooke que ele queria. Quando uma segunda chance colide com os segredos da alma e Brooke precisa confrontar seu passado, ele se vê determinado a protegê-la. Ela aceita sua ajuda não só porque precisa dele, mas também porque não resiste a seus encantos. Desta vez, porém, o jogo será do jeito que ela quiser.


Por Jayne Cordeiro: "Conquista" é o segundo livro da trilogia "Sr. Estranho". No final do livro anterior, Brooke descobriu um segredo por trás do encontro dela e de Jett, que abalou tudo o que ela sabia sobre ele. Agora, desiludida, ela não quer ter nenhum contato com ele, e decide se afastar, fazendo uma viagem com a melhor amiga, atrás de uma herança que descobriu. Mas Jett não vai desistir da mulher que ama, e além de reconquistá-la, precisará protegê-la de um antigo segredo de família, que pode colocá-la em risco. Mas Brooke não vai aceitar tão fácil o seu retorno.

Esse livro acaba exatamente, de onde o outro parou. Brooke viajou para a Itália, buscando mais informações sobre a herança que ganhará, e quer manter a maior distância possível de Jett. Mas é claro que o mocinho vai atrás dela, e tenta recuperar sua confiança. Aqui temos além de todo o romance, mais do enredo secundário, com todo um mistério sobre um grupo secreto, que não deseja que suas informações sejam reveladas. Existe alguma cenas mais agitadas, com perseguições, fuga de carro ou invasões.

Tudo isso torna a história bem movimentada, e a leitura passa bem rápida. Novamente, eu tive a sensação de que a história poderia ter mais profundidade. É como se as cenas estivessem lá, fossem explicadas e tudo, mas não convencem, em alguns pontos. Ainda queria ter alguns momentos do casal, sem a correria de sobreviver ou da parte sexual, mas mesmo assim, o casal convence e a história te prende.

Algumas coisas  ainda precisam ser explicadas, e vão ficar para o último livro. Gostei mais desse do que o primeiro, e tem sido uma série boa, apesar de não espetacular. A leitura é fácil e é um  ótimo livro pra relaxar e colocar entre leituras mais pesadas.


Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


 



segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Resenha: "Devoção" (J. C. Reed)

 

Tradução: Julio de Andrade Filho

Sinopse: Com uma promissora carreira pela frente, Brooke Stewart não é o tipo de pessoa que se envolve em relacionamentos, principalmente em seu trabalho. Entretanto, ao ser enviada para fechar um grande negócio na Itália, ela percebe que uma das peças-chave do seu novo projeto é o cara que ela havia abandonado dias antes em sua cama.

Jett era um homem de negócios. E altamente atraente. Seu sorriso malicioso escondia seus verdadeiros intuitos e seus olhos verdes eram um convite permanente. Sexy e arrogante, um cretino e um estranho, disposto a conseguir tudo o que quer e, desta vez, ele desejava Brooke, não importando o preço a pagar.

Então, quando eles percebem que essa relação pode afetar o mundo dos negócios, surge um contrato...

Perigosamente arriscado. Altamente sexy. Uma relação que não aceitará um "não" como resposta.


Por Jayne Cordeiro: " Devoção" é o primeiro livro da trilogia "Sr. Estranho". Não é um lançamento aqui no Brasil, então dá para ter acesso a toda a série, que foi lançada pela Única Editora. Aqui conhecemos Brooke, uma mulher focada nos negócios. Por causa deles, ela acaba conhecendo um homem que vai mudar a sua vida. O estranho a atrai de uma forma incomum, mas não está ali para se envolver com ninguém. Mas o destino é implacável, e ela vai descobrir que esse mesmo homem, com quem teve uma noite quente, é agora o seu novo chefe, ela vai precisar equilibrar sua vida profissional e pessoa.

Jett é um empresário que não costuma misturar negócios e vida pessoal, mas desde o momento em que conhece Brooke, ele sabe que precisa tê-la por perto. Seu jeito perspicaz e inteligente no trabalho, associado a atração forte, é tudo com o que Jett quer lidar. Então ele vai fazer qualquer coisa para conseguir essa mulher por perto. Mas misturar as coisas pode trazer algumas complicações, que os dois precisarão lidar.

Peguei esse livro recentemente para ler, e posso dizer que gostei dele. Na verdade, não é um livro espetacular, e senti que a escrita poderia ser mais profunda. mas ainda assim é uma leitura que consegue prender o leitor. Na sinopse, fica parecendo que o personagem masculino é muito pior do que realmente é. No caso, parece que ele vai tomar medidas extremas ou até desleais para ter a mocinha, como já vi alguns personagens fazerem, mas não é isso que acontece aqui.

As coisas fluem muito mais fáceis, e as vezes até rápido demais. Mas ainda sim, é um livro interessante, que dá pra ler muito rápido. Ele parece mais grosso do que é, porque a letras são grandes, mas é uma leitura que flui rápido, e dá até para acabar no mesmo dia. Os protagonistas tem uma boa química, com ótimas cenas sensuais. Eu queria que tivesse algumas cenas mais românticas, mas sem a parte sexual. Aquelas cenas que deixam o leitor bobo, sabe?

Além do romance do casal, temos um segundo plot por baixo, que se desenvolve mais para o final, que parece ser a base do resto dos livros. "Devoção" acaba em meio a um ápice, que deixa várias pontas soltas para o próximo livro.



Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


 
Ana Liberato