segunda-feira, 7 de julho de 2014

Littera Feelings #17 e Kafka – Entrevista de Leitura #2

MANDA MAIS COPA QUE TÁ POUCA COPA!

Leggo

Olá, amigos leitores, como estão?

No post passado estava eu um pouco incerta sobre as leituras sobreviverem com tanta empolgação sobre o evento da Copa do Mundo, maaaaaaaaaaaaaas, olha, devo dizer, o que não li em meses, li nessas últimas semanas e fiquei muito feliz de ver leitores internet a dentro também se esbaldando em leituras – mesmo que seguisse o movimento de “olho no livro, olho no whatsapp, olho no jogo, olho numa rede social”. Realmente, brasileiro tem uma força de vontade (e criatividade) imensurável XD

Então enquanto estamos nos preparativos para o jogo de amanhã, convido vocês para um "olho no jogo, olho post"!

O que trouxe pra vocês hoje é um post especial da coluna, a Entrevista de Leitura. Para quem não lembra ou perdeu a primeira entrevista (podem ver aqui), relembro que é uma oportunidade de contato mais direto com os leitores, numa entrevista em que o centro das questões é a experiência de leitura - com um livro clássico. Aproveitando o lembrete, aí vão os requisitos para quem gostaria de participar do próximo post dessa seção:

  • Leitura recém-finalizada;
  • Clássico da literatura (nível mundial);
  • Não valem releituras.

Assim, vos apresento os convidados desta entrevista.

No microfone de leitor está...

Luan Queiroz, estudante de Letras, que diz ter um “coração literário onde cabe desde John Green, Suzanne Collins, J. K Rowling até Machado de Assis”, quem gosta e lê de tudo um pouco.

Na bancada de leitura do lado está...

A Metamorfose, de Franz Kafka.
Dados Complementares

Edição (editora e ano de publicação): Companhia das Letras, 1997.
Época de enredo: O ano exato não é informado, mas levando-se em conta os acontecimentos, a história se passa na mesma época em que o livro foi escrito, ou seja, inicio do século XX.

~~~~~~~~ Eis Luan e Kafka! ~~~~~~~~

Conte-nos sobre o que trata o livro a seu ver. Teria vontade de reler?
Luan: Acho que de alguma forma todos conhecem Kafka (mesmo que nunca tenham lido nenhum livro escrito por ele). Basicamente é sobre um homem, Gregor Samsa, que acorda uma certa manhã e se percebe transformado em inseto. Não nos é revelado o motivo dessa transformação. O que se vê nas páginas seguintes é como o nosso protagonista e sua família encaram essa "mudança".
Minha sensação de estranhamento foi muito grande no inicio. Não é um livro tão fácil de ser digerido assim, mas aos poucos o leitor, assim como o próprio Gregor, vai se acostumando com a nova condição do personagem. Duro é ver a maneira como a família o trata em determinados momentos. Por mais asqueroso que o "inseto" possa parecer, há traços fortes de humanidade nele ainda, o que todos parecem esquecer.
A barata é um símbolo: a vida do Gregor não os satisfaz, mas ele é daqueles que "sofre calado", sabe como é? Um cara que trabalha duro num emprego que ele não suporta para pagar a dívida do pai (que fica em casa sem fazer nada o dia todo) e para no futuro custear os estudos da irmã que ele tanto gosta e que no final é umas das que mais faz pressão para que o "inseto" que era seu irmão vá embora. O interessante é que na pele do inseto é que o Gregor realmente se sente livre: ele sobre pelas paredes, vai aprendendo a usar as patas, e, melhor do que tudo, não tem que trabalhar.
Eu releria pra tirar ainda mais coisa do livro. É uma obra que exige um certo esforço, mas que te permite mil interpretações. Ainda tenho a cisma de que havia uma tensão sexual entre o Gregor e a sua irmã... não sei, mas fiquei com essa impressão. Tenho que reler pra tirar a prova (ou não).

Diante do conhecimento geral sobre o livro, diria que seu pensamento atual sobre A Metamorfose mudou muito após a leitura?
Luan: Sim, antes da leitura, eu achava que era um daqueles livros clássicos em que o autor misturava filosofia com ficção e acabava rendendo um caldo sujo e incompreensível. No final das contas, não é nada disso. "A Metamorfose" é um livro sensível, indispensável e o mais interessante de tudo, plurissignificativo. Não é uma leitura fácil (a Literatura em geral nunca é), mas vale muito a pena ser lido.

Quanto à sensação de estranhamento que mencionou, foi uma dificuldade em que sentido? Por enredo, escrita, ambientação (ou outro)? O livro chegou a bater de frente com algum ideal seu? Isso interferiu durante sua leitura?
Luan: Os próprios acontecimentos do enredo já causam esse estranhamento (um homem acorda na forma de inseto? Como assim?). Eu sempre tive a ideia de que a família seria a base de tudo e acho que o Gregor compartilha essa ideia comigo. Mas ver a forma como todos os membros da família exploravam o pobre filho, obrigando-o a se manter num emprego detestável para sustentar sozinho o lar me fez refletir muito até onde vai o amor familiar.
(Isso interferiu) Um pouco. À medida que me acostumava à figura do inseto Gregor, eu me sentia ainda mais enojado pelos outros membros da família. Isso fez eu repugnar um pouco o final (não vou contar o final hahahaha).

(Peter Kuper adaptou a obra para os quadrinhos. Mais cenas podem ser vistas aqui - contém spoilers)

E se você se visse na condição do protagonista? E na condição de algum familiar? Tipo, de repente você é irmão ou pai de um inseto. Qual seria sua preferência?
Luan: Não faço a mínima ideia do que eu faria. Nem gosto de pensar nisso hahahahahaha. Acho que por mais difícil que possa ser (na condição de algum familiar), eu tentaria continuar enxergando-o como um ser humano... não sei, eu não arrumaria uma maçã no meu filho como o pai do Gregor fez.
Acho que ser um inseto é bem ruim, mas lidar com um ente querido inseto é bem pior.

Que ideologia você sentiu ser bem forte? Como ela repercutiu em você?
Luan: Há uma crítica forte do Kafka ao capitalismo no livro: um homem que é forçado a estar no emprego que ele não gosta apenas para manter o status e conseguir sustentar a família: esse é o Gregor. Percebe-se também que ao virar inseto, a principal preocupação do nosso protagonista é o que o chefe vai achar se ele chegar tarde no serviço. Gregor é facilmente substituído quando o chefe descobre a nova "faceta" do personagem.
(Isso repercutiu em) Muita reflexão. Confirmar que os pontos negativos do capitalismo não são de hoje, que eles já estavam presentes, já estavam prejudicando pessoas lá no comecinho do século XX, num país bem distante do nosso foi bastante interessante. Fiquei imaginando também o quanto de nós não queríamos acordar insetos pelo menos uma vez na vida (tanta gente reza pra acordar doente) só pra não ter que levantar cedo pela manhã, só pra não ter que pegar um ônibus lotado naquele dia para ir ao trabalho.

O que diria ser inesquecível em A Metamorfose?
Luan: Acho que a cena final, por mais que eu tenha gostado muito dela. Uma das últimas coisas que a irmã fala para/sobre o Gregor ficaram muito na minha cabeça, vai ser complicado esquecer.

Consegue imaginar essa história se passando na atualidade? Como acha que a sociedade iria lidar?
Luan: Acho que o Gregor é o reflexo do homem moderno, logo “A Metamorfose” é um livro muito atual. Agora do ponto de vista do enredo, um homem virando inseto... não consigo imaginar isso, e acho que nem é tão bacana se pensar assim. A distância entre a literatura e a realidade é o que faz com que as pessoas continuem lendo e contando histórias.

Há algum trecho que queira destacar?
Luan: Desculpe, mas acabaria contando um grande spoiler (risos). Como já falei gosto muito de uma das últimas coisas que a irmã fala sobre/para o Gregor. É forte, é pesado e revela muito sobre os pontos fracos de toda aquela família. Interessante que esse trecho em especial me lembra um dos trechos da música O Vento, do Los Hermanos: “não te dizer o que eu penso, já é pensar em dizer”.

Houve alguma música que marcou sua leitura – ou lembrança dela?
Luan: Além do Vento, dos Hermanos, eu fiquei imaginando que esse livro poderia ter uma trilha sonora toda feita pelo Yann Tiersen. A dor e a liberdade do Gregor seriam ainda mais deliciosamente sentidas por mim.

Complete: “O livro é legal, mas...”?
Luan: O livro é legal, mas Kafka o achava uma porcaria (risos). Vai entender...

~~~~~~;~~~~~

E aí, também ficaram remexidos com Kafka? Quais eram/são suas ideias sobre A Metamorfose?


O que eu conhecia sempre foi pouco, minha curiosidade era mais pela questão do inseto e da reação das pessoas. A simbologia da qual o Luan comentou também, e agora parece mais forte na minha cabeça isso de humanidade. Gosto de temas sociais, então acho que já tenho uma queda (?) (rs) Decerto também já fico com umas teorias conspiratórias pra quando topar com esse livro. Obrigada, Luan, adorei o papo!

Espero que nossos leitores também tenham gostado.

Interessados em participar de uma entrevista, dentro dos citados requisitos, só mandar nome, um contato de rede social (FB ou twitter), o nome do livro e do autor para marykleris@hotmail.com, assunto Littera Feelings.

Até o próximo post,

#VAIBRASIL


Kleris Ribeiro.

Um comentário :

  1. Adorei a entrevista. Parabéns pela inicitaiva, foi ótimo pra conhecer não só o livro, mas também o autor e o que o inspirou pra criar essa obra...bjsssss

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris