segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Resenha: "O livro da Loucura e das Curas" (Regina O'Melveny)



—Ah, o senhor ficou perturbado com a preocupação na carta de meu pai! “ Para que serve o sofrimento?”, ele costumava perguntar em momentos de inquietação. “é para que as pessoas se apoiem mutuamente”, disse certa vez, quando eu tinha dez anos.

   Há um bom tempo venho reparando no crescimento de protagonistas femininas nos livros. E não, não são aquelas protagonistas que estão sempre em perigo precisando do príncipe encantado pra salvá-las. Dessas nós leitores estamos cheios. Estou falando das moças que de fato tem uma história, tem amigas, tem um propósito na vida além de serem salvas e não são meras coadjuvantes em suas histórias.
   O livro da Loucura e das Curas se encaixa perfeitamente nesse quesito. Em Veneza, meados do século 16, Gabriella Mondini é uma médica que se aprendeu e se apaixonou por medicina através das instruções de seu pai, um médico entusiasta das novidades da medicina, mas também um homem de muitos segredos.
   Em uma de suas expedições, após quase uma década fora de casa, Gabriella recebe uma carta do pai com uma mensagem clara: ele não voltará para casa e pede que ninguém saia a sua procura.
   Além da inesperada mensagem do pai, outro contratempo preocupa Gabriella. Os médicos do conselho da cidade acreditam que ela deve exercer medicina sob aconselhamento de um Dottore, e como seu pai há muito tempo não volta à cidade, Gabriella será proibida de exercer medicina apenas por ser mulher.
   Sem o apoio da mãe para seguir com sua carreira, mesmo contrariando o conselho médico, e impedida de exercer sua maior paixão, Gabriella não pensa duas vezes e decide sair em busca do pai. Reunindo as últimas cartas enviadas por ele na tentativa de reunir pistas de onde o pai pode ter passado, Gabriella segue viagem com na companhia de seus dois criados.
   A viagem de Gabriella é repleta de descobertas, tragédias e comoção. Cada parada lhe revela um segredo de seu pai que atiça ainda mais sua curiosidade e preocupação, e cada caminho percorrido mostra que o mundo no século 16 é muito cruel com as mulheres que fazem suas próprias escolhas.
   A autora, a estreante Regina O’Melveny, conquista ao descrever como eram tratadas as mulheres que “ousavam” ter alguma autonomia na Europa conservadora. Vemos vilarejos queimando na fogueira mulheres consideradas feiticeiras, que praticavam medicina e eram empáticas umas com as outras em questões ainda hoje polêmicas, como o aborto e a falta de aceitação de médicos que se diziam liberais em aceitar o conhecimento das mulheres médicas.

—Mulheres médicas não são tratadas com gentileza por aqui, não importa de onde venham ou quem quer que sejam seus pais. E a senhorita não poderá visitar Der Sipital. Os médicos prósperos tem medo de nós. Nós sabemos coisas, e mulheres que sabem são perigosas.

   O livro é meio cansativo e lento em seu desenvolvimento, é difícil pegar e ler por hooooras seguidas. Com exceção de alguns trechos, a história tem poucas reviravoltas que prendem a atenção. Mas acredito que a leitura seja interessante, Gabriella é uma personagem de personalidade excêntrica para época (médica por vocação, solteira e viajando sozinha pela Europa, até hoje tem gente que não aceita bem...).
   Espero que tenham gostado da resenha e até a próxima!
:)

Curta o Dear Book no Facebook
Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


0 comentários :

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris