quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Resenha: “Soldier Leal até o fim” (Sam Angus)


Por Yuri: Oi pessoal! Este livro é baseado em relatos reais sobre a atuação de animais durante a Primeira Guerra Mundial. Assim que eu olhei essa capa e li o nome do livro, fui procrastinando a leitura por um tempo. Mas deixe-me explicar o motivo: eu sou o tipo de pessoa que quando assiste um filme e uma pessoa morre, não choro, mas se aparece um animal que sofre, eu me derramo em lágrimas T.T

Quando eu achei que estava pronta pra ler o livro, preparei os lenços de papel e respirei fundo...

Soldier conta a história de Stanley, um garoto de 14 anos, que vive com Da (seu pai e adestrador de animais de raça pura) e Rocket (cachorro de raça campeã de vários torneios de corrida).

Após a morte da mãe de Stanley, Da sofreu muito e se tornou extremamente rabugento. Seu temperamento piorou depois que Tom, seu filho mais velho, foi convocado para servir ao exército. Stanley que era muito ligado ao irmão sofreu muito por ficar solitário, mas compensava sua alegria com Rocket. 

Quando a cadela deu à luz quatro filhotes mestiços, Da ficou furioso e prometeu dar um fim a todos os cachorros. Depois de tentar vender os filhotes para ciganos, um dos cãezinhos não foi aceito por ter uma pelagem mais clara, este era Soldier, o preferido de Stanley, pois foi o último a nascer e quase morreu durante o parto.
“- Soldier – ele sussurrou novamente. – Você vai ter esse nome por causa do meu irmão... Ele já deveria ter voltado para casa a esta altura... Da apareceu de repente, carrancudo, agarrou Soldier pelo cangote, balançando-o, as perninhas rígidas se misturando no ar. Da marchou até a porta e lançou Soldier para fora, no cascalho da trilha. Stanley engasgou, mas em um instante Soldier ficou de pé desnorteado, deslizando meio torto para os canis, o rabo entre as pernas, os olhos ansiosos e a cabeça curvada, olhando para a porta. Da vagou pela sala e subiu a escada.”

Com o orgulho ferido por ter um animal mestiço, Da que sempre foi orgulhoso por trabalhar apenas com animais de raça pura levou Soldier para o lago para matá-lo. 

Stanley fugiu de casa quando descobriu que Da tinha afogado o filhote que restara e para encontrar o irmão, mentiu a idade e se alistou no exército. Logo o garoto tornou-se adestrador de cães mensageiros, que atravessam batalhas e trazem de volta uma mensagem.
“Na porta, com uma mão no bolso, Stanley parou para olhar a sala uma última vez. Viu o apito na cadeira. Da veria o apito que o filho tinha feito para ele, talvez pudesse enxergar ali todo o amor e toda a esperança que ele havia destruído. O apito na caixa de fósforo, aquele que manteria consigo, para sempre, como lembrança de Soldier.”

Até essa parte do livro eu consegui ler sem chorar, mas quando Stanley começou a treinar Bones, seu primeiro cachorro mensageiro, é muito triste. Esse cachorro tinha instinto protetor quando chegou para ser adestrado, então Stanley teve muito trabalho para retrabalhar esse comportamento do animal, mas ao mesmo tempo era esse instinto que fazia Bones sempre voltar para o seu dono.
“- O cão deve querer estar com você. Se ele quiser estar com você – estava dizendo Richardson – então ele será leal, corajoso e honrado. Não só isso: ele vai ser impulsionado como se por uma espécie de magnetismo, atravessando em meio às bombas caindo, através de furacões de fogo e de campos com tanques se deslocando, pelo seu desejo de estar com você. Se ele o amar, vai correr para casa, para você, mesmo através de nevascas de estilhaços de ferro.”

Vou adiantar que a sucessão de fatos não é muito feliz. Eu li esse livro no ônibus e no metrô enquanto viajei da minha cidade a São Paulo e eu simplesmente não conseguia parar de chorar.

Não sei pra quem eu indicaria esse livro, talvez para quem gosta de chorar (brincadeira). A história é cheia de sofrimento, mas o envolvimento de Stanley com os cachorros é tocante. Mais que isso o livro tem um clímax de prender o fôlego.

Para quem gosta de ler histórias que contam sobre o relacionamento entre humanos e animais, esse livro com certeza é uma boa pedida. Vale a pena ler, vale a pena sofrer, vale a pena chorar junto e ver como foi a guerra por um novo ângulo.

Espero que vocês curtam essa leitura e até a próxima!


Curta o Dear Book no Facebook
Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta



Um comentário :

  1. Estava doida querendo esse livro. Finalmente no final de ano de 2016, consegui e fui ler. Nem preciso confessar que amei cada página e me empolguei com a coragem sem limite desse cão maravilhoso. Amor assim, só mesmo dos animais. E que lição de vida!

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris