sexta-feira, 24 de junho de 2016

Resenha: “O Pulo da gata” (Fernanda França)

Por Yuri: “O Pulo da gata” da autora Fernanda França é daqueles livros fácil de ler. Com uma linguagem simples, o romance foi escrito para ser lido rapidamente, pois a leitura flui facilmente.


Livro - O Pulo da GataAntes de iniciar a resenha, só queria fazer um pequeno comentário sobre a capa do livro: observe a suavidade do vestido, os corações com gliter, o gatinho que dá medo (adoro gatos!!!). Achei uma capa super delicada.

O livro narra a história de Maggie May, uma veterinária cujo maior sonho é se casar na igreja, com vestido branco, festa com muitos convidados, viagem de lua de mel e tudo a que tiver direito. Desesperada para alcançar seu objetivo, sempre acessa sites de relacionamento a procura de alguém para compartilhar seu desejo, e não por acaso tentou arrastar quatro rapazes para o altar.

Em mais uma de suas tentativas para casar, Maggie conhece Gato Gatuno, que parece ser tudo o que ela procura em um homem, pelo menos de acordo com o perfil do site no qual se conheceram. Os dois decidem então se encontrar, marcam um lugar, horário e a roupa que cada um usaria. 
“[...] E ainda tinha o risco da decepção. Aquele que todos correm quando nunca se viram, mas já se conhecem.
Mas Maggie May não pensava nisso. Não havia chance de não gostar de Felipe. Ela sabia como ele era fisicamente: alto. O que mais poderia querer de um homem? Ele tinha os mesmos gostos que os seus e era gentil e amável.
O restante eu descubro aos poucos
.”

Chegando no local combinado, um rapaz, vestido com as mesmas roupas que Gato Gatuno estaria usando, inicia uma conversa com Maggie. A jovem se sente muito cativada por ele, que além de engraçado e divertido é também muito atraente. E para Maggie parece o cara ideal para se casar.

O grande problema é que o rapaz pelo qual Maggie se interessou nesse encontro, não era o Gato Gatuno, mas Eric, um comediante que apresentaria um show no local em que estavam. Depois desse primeiro encontro, o rapaz entra no círculo de amigos de Maggie (Luiza e Vidinha) e se apaixona pela jovem, mas que acaba namorando Felipe, o verdadeiro Gato Gatuno.

O clímax do livro é que Maggie finalmente vai realizar seu sonho e se casar com Felipe, embora ele seja muito suspeito e nada confiável.

Perdoem-me todas as Maggie’s May que existem por aí e que estão lendo essa resenha, mas desenvolvi uma relação de amor e ódio com a personagem. Para aqueles que não se enquadram nesse grupo, provavelmente conhecem alguém que se encaixa perfeitamente nessa descrição.

Maggie May é aquela pessoa:

- Necessitada de relacionamentos, que se desespera caso esteja sozinha;
“E foi lá que Luiza viu um post no mural de Maggie que lhe chamou a atenção.
Na legenda de uma foto colocada no dia anterior, estava escrito: “Eu e o marido em casa e um filme na TV. Não preciso de mais nada para ser feliz”.
Marido? Que marido? Desde quando ela tinha um marido? E casa? Que casa, se essa não é a casa em que ela mora?

- Cega e surda de relacionamentos, ou seja, fecha os olhos para todas as atitudes estranhas do parceiro e finge que não escuta as coisas que os outros falam dele;
“[...] Buscou-a no flat, mas estranhou quando Felipe não desceu.
- Ele tem uma prova muito importante amanhã, então eu pedi que ficasse para descansar.
O que você tem na cabeça? O seu pai morreu! Esse cara tem de estar com você!, remoeu na cabeça, Vidinha.”

- Que vê todas as atitudes do parceiro através de estrelinhas douradas.
“-Podemos fazer um jantar de recepção. E já casamos de vez! Nós já estamos casados Maggie.
Aquilo soava romântico aos seus ouvidos. “Nós já estamos casados, Maggie.”
“- Ih, gata... só tem um negócio que eu preciso te dizer.
- Pode dizer qualquer coisa, Miau.
Era realmente uma demonstração de alto nível de glicose.
- Eu não curto esse lance de igreja.
[...]
- Calma Meguinha... Podemos fazer nosso casamento em um salão lindo. É que eu não sigo nenhuma religião e eu acho muito desrespeitoso entrar em uma igreja se eu não acredito, sabe? Eu prefiro ser honesto com minhas crenças. E você pode decorar o lugar como quiser. Pode chamar um celebrante, já vi alguns muito bons em uns casamentos aí.
Parecia a coisa certa a fazer. Eu acho tão lindo ele ser honesto desse jeito... é um bom sinal.”
E só para deixar claro que estou me referindo aos namorados das Maggie’s May que mostra todos os indícios de que o relacionamento é uma furada. E quando alguém vai alertar uma Maggie May de que tem alguma coisa errada com o namorado dela, como toda boa Maggie May, ela simplesmente não acredita.

Como alguns já devem ter percebido, eu claramente não sou uma Maggie May, então essa é a parte que me deu raiva da personagem. A parte que eu gostei foi o amadurecimento da personagem e a sua evolução pessoal ao longo da história. Eu particularmente, gosto bastante desses livros que me fazem sentir alguma emoção e conexão com os personagens.

“O Pulo da gata” é uma história cotidiana que todo mundo já deve ter vivenciado alguma vez na vida, seja como Maggie May ou amigos/amigas de Maggie May. Vale a pena gastar um tempinho e se identificar com algum personagem do livro.

Fica a dica para uma leitura rápida. Espero que vocês curtam!

Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


Até a próxima!


0 comentários :

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris