segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Resenha: "Do que é feita uma garota" (Caitlin Moran)


Por Yuri: Johanna tem catorze anos e mora em Wolverhampton, uma cidade decadente da Inglaterra nos anos 90. Após passar a maior vergonha no programa de televisão local ao imitar o Scooby Doo, Johanna Morrigan decide começar uma nova vida como Dolly Wilde, uma roqueira, gótica e beberrona.

“Fiz minhas anotações, vejam vocês, sobre do que é feita uma garota e como lança-la no mundo. Todo mundo bebe. Todo mundo fuma. A Miki-Esponja-Berenyi é uma puta de uma mulher legal. Fingir até conseguir. Você conversa sobre sexo como se fosse um jogo. Você tem casos. Você não faz citações extraídas de musicais. Você faz tudo aquilo que os outros estão fazendo. Você fala coisas para ser ouvida, mais do que para estar certa.”

Dolly Wilde narra com bom humor seu início na carreira profissional e na vida sexual, com histórias que fazem o leitor rir com o absurdo da situação.
Aos 16 anos, Dolly Wilde fuma, bebe, trabalha para uma revista de música escrevendo críticas para destruir bandas e transa com todo tipo de homem. Mas e se Johanna tiver feito Dolly com as peças erradas?
“Então o que você faz quando se contrói? – e se dá conta que você se construiu com as peças erradas? Você rasga tudo e começa de novo. Esse é o trabalho dos seus anos de adolescência – construir e rasgar e construir de novo, repetidas vezes, infinitamente, como filmes acelerados de cidades durante bombardeios e guerras. Ser destemido e infinito em suas reinvenções – continuar se retorcendo aos dezenove, fracassar e começar de novo, e de novo. Inventar, inventar, inventar.”

A complexidade da personagem e o amadurecimento de Johanna ao longo da história torna o livro interessante, no entanto, não senti conexão com a personagem. A realidade de Dolly Wilde é tão distante do que foi a minha adolescência e tão diferente de como eu imagino que são as adolescentes (essa sou eu sendo bem ingênua), que não me cativou.

Outro ponto que vale a pena destacar são as referências musicais do livro. Para os que não conhecem a cultura musical da década de 90, talvez não se ligue tanto com o universo da personagem, porque basicamente toda a história de Dolly Wilde envolve os artistas e banda da época.

Pra tentar explicar qual foi o meu problema com o livro, vou fazer uma analogia com uma experiência que vivi na Universal Studios com a minha irmã. Quando eu, que já li todos os livros “Harry Potter”, visitei o mundo mágico do Harry Potter, queria conhecer a loja da Zonko’s e experimentar as tão famosas guloseimas, beber a cerveja amanteigada, entrar no castelo de Hogwarts, enfim, queria desbravar cada pedaço daquele mundo e me encantava com o quanto ele era parecido com aquilo que eu li nos livros. Para a minha irmã, não foi nada demais, ela sequer experimentou a cerveja!!!

Espero que a minha analogia faça sentido, porque os leitores que conhecem as referências musicais citadas, conseguem aproveitar o livro de outra forma. Provavelmente vão entender as piadas e as críticas da personagem sobre as músicas e as bandas que para mim não fizeram sentido.

Experimentem ler o livro e compartilhem a sua opinião.

Até a próxima!

Curta o Dear Book no Facebook
Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta

0 comentários :

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris