segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Resenha: “Minha Vida de Livro” (Janet Tashjian)

Por Kleris: Oi, pessoal. Voltei aos infantojuvenis! Esse, em particular, é de uma leiturinha bem deliciosa e rápida. Daria um filme legal daqueles da Sessão da Tarde, mas em alguns pontos a história é muito melhor contada em livro. É justo o tipo ideal de encontrar numa biblioteca de escola – aquele bom e velho achado.

Minha Vida de Livro é uma história contada por Derek, de 12 anos, quem está para entrar de férias e tem uma lista de livros para ler antes de começar as aulas. Mas por que ler coisas da escola quando se tem tanto pra fazer no tempo de descanso? Os pais de Derek fazem de tudo para que o menino dê uma chance ao menos a um livro, chegam até a oferecer chocolate por cada página lida. Enquanto não conseguem algum resultado, Derek se joga em um mistério que muito por acaso cai do sótão da casa. De repente algumas coisas soam suspeitas demais e vale uma investigaçãozinha sobre tal a reportagem que a mãe guardou por tantos anos. 

Eu jogo o jornal para ela, e quando ela pega, sua expressão muda:
— Você não tem nada a ver com isso — ela diz.
— Eu sei — respondo. — Só queria saber por que está guardado.
Ela sobe alguns degraus da escada, me puxa pela cintura da calça e me agarra antes de eu cair no chão.
— Em vez de inventar uma história, você vai ler uma.
Ela enfia o artigo de jornal no bolso de trás e coloca o livro da biblioteca na minha mão.

É verão (época de férias lá nos EUA) e Derek quer apenas se divertir, mesmo que isso represente fazer zeros nadas (quem nunca?). Mas como seu melhor amigo, Matt, viaja com a família e Derek se vê sem muitas opções senão aprontar sozinho, ele acaba sendo matriculado em um acampamento de estudos. Contra a corrente, o menino não deixa a imaginação de lado e ainda assim tenta se divertir à sua maneira. Até porque tem todo um rolo de suspeitas acontecendo e o intrigando. 
Se minha vida fosse um livro, eu teria minhas próprias incríveis aventuras em vez de ler sobre as de outra pessoa. Se eu fosse o personagem principal de uma história interessante, em vez de um garoto que precisa ficar sentado e ler o dia inteiro, passaria o verão tentando descobrir como aquela menina do jornal morreu.

As traquinagens do Derek impressionam os pais, que ora vão lá dar aquele puxão de orelha, ora entendem que não é preciso dar uma dura. É uma família, diga-se de passagem, tranquila, bem cotidiana – o pai trabalha com ilustração para filmes e a mãe é veterinária, o que não é nada muito extraordinário, mas que tem um bom peso dentro da história.

Achei interessante que Janet coloca assuntos tensos de maneira leve e agitada ao mesmo tempo, conferindo um pico aqui e ali de emoção. Você acaba rindo muito pelas traquinagens (como quando Derek sobe no telhado pra mexer na antena e isso pode interferir o programa de Tv que o pai assiste ou quando Derek sequestra um macaco da clínica da mãe, só porque seria muito massa poder brincar com um), e gruda-se ainda mais no livro quando o suspense surge (acredite, tem um bocadinho). Não é bem uma aventuuuura, é mais sobre descobrir histórias sobre sua vida que nem sua família poderia ter noção.

Embora a trama pareça ser bem simples, ela é bem construída. Há mistérios, há cotidiano, há bobices e surpresas que se encaixam perfeitamente. Como já comentei em outras resenhas, tenho um tombo inteiro por metaficção (ficção que fala de ficção) e aqui em Minha Vida de Livro você vê algo semelhante, algo como metaleitura (uma leitura sobre leitura) – o que dá aquele toque de como mediar leituras para crianças a partir da visão de uma. Muita gente começa com quadrinhos e Minha Vida de Livro trata bem disso, dessa transição e expandir a imaginação. O livro também te dá umas boas perspectivas, tanto sobre como mediar esse “salto”, quanto sobre a vida e a própria relação de pais e filhos. 
Na verdade, eu gosto de ler. Se me deixassem sozinho com o Calvin, o Haroldo, o Garfield, o Bucky, A Turma da Mônica, eu leria o dia inteiro. Mas querer forçar uma criança a alguma coisa tão pessoal quanto leitura? [...] finjo que sou um espião sendo torturado por forças poderosas do mal que me obrigam a praticar “leitura ativa” pra não ser morto por algum assassino estrangeiro.

Apesar de nunca ter lido de fato O diário de um banana, a minha sensação foi de total lembrança a essa série, pois envolvem meninos ingênuos, amizades de criança, ilustração, um ritmo bem corrido de leitura e umas traquinagens de meninada. Cá com Tashjian temos ainda boas doses de amizade, conspiração juvenil, aprendizados e, vá lá, os velhos costumes da família americana (nunca vou entender como um almoço pode ser um sanduíche de manteiga de avelã...).


  

A edição, inclusive, super corrobora para uma boa apresentação do livro – traz desenhos nas margens das páginas, que representam parte das atividades de Derek durante as férias (ilustrações essas feitas por um real garoto de 15 anos); traz também uma tipografia (tipo de letra) em letras maiúsculas, que passa aquela urgência e agitação de Derek em contar as coisas; isso sem falar da capa dura (um mimo só!).

Se você é desses que adora lembrar como é ser criança, tem essa curiosidade ingênua, curte desenhar ou ler livros com muitas ilustrações... Só acho que vale muito a leitura de Minha Vida de Livro. Leia e depois experimente repassar para os filhos, sobrinhos, irmãos menores, pois imagino que deva ser uma sensação mais gostosa ainda, visto que ele é na medida certa, nem muito, nem pouco e que vocês podem conversar sobre de boa. Enfim, re-co-men-do.

Fico aqui, apenas desejosa por mais livros da Jane Tashjian – ela tem até série publicada. Espero que logo despontem no Brasil ;) 
Ao colocar minhas canetinhas e o caderno na mala, eu me sinto como se praticamente tivesse ajudado papai em alguma coisa importante. Talvez ele possa retribuir o favor me ajudando a convencer mamãe a adotar um macaco.


Até a próxima!

Curta o Dear Book no Facebook

Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta

2 comentários :

  1. Você comentou sobre "Diário de um banana", mas durante toda a resenha me lembrei do livro "Escola: Os piores anos da minha vida". Não digo que a premissa é semelhante, porque de fato não é, mas o estilo narrativo é muito parecido. E como gostei muito do livro que citei, imagino que vou curtir esse também. Até me deu uma ideia para escrever uma história. hehe

    Abraços,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ricardo. Já adicionei aqui esse livro que você citou. Como viu, gostei muito desse da Janet e quero explorar mais esse gênero :)

      Excluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris