segunda-feira, 18 de julho de 2016

Resenha: “Você se lembra de mim?” (Megan Maxwell)

Tradução de: Sandra Martha Dolinsky
*Por Mary*: Nunca pensei, nesse mundo de meu Deus, que um dia Megan Maxwell me faria chorar. Mas não é que ela fez? Quer saber por quê? Então, vem com a tia!

Sem medo de me equivocar, digo que este é o livro mais diferente que já li da Megan. E não me refiro somente ao enredo, mas também à trilha sonora. Quem conhece esta escritora, sabe do que eu estou falando. 
Durante os quase cinco minutos que durou a canção, nenhum dos dois disse nada nem se afastou. Quando acabou, olharam-se na escuridão. Foi um desses momentos perfeitos e únicos em que os dois sabem de tudo. Um sabe por que o outro olha, por que o coração bate acelerado; mas também sabe que está encrencado.

Megan Maxwell é uma escritora muito musical, que sempre compõe uma verdadeira trilha sonora para suas tramas e, em geral, aposta em cantores e bandas latinas; dessa vez, por outro lado, apostou – acertada e adequadamente, diga-se de passagem – no rock dos anos 60.

Que trilha maravilhosa!

A espanholada da trama fica por conta da banda El Canto Del Loco, que eu não conhecia e adorei! Tem uma pegada bem ao estilo Maná, que eu curto muito. Fica aí a dica para quem gosta desse tipo de som.

Outro dia, conversando com os coleguinhas aqui do blog, a Mari Diniz – que vocês conhecem pela coluna de séries – comentou sobre o quanto seria interessante se montássemos uma trilha sonora e a inseríssemos aqui no texto. Eu, que estava lendo justamente esse livro, logo entendi que precisava mostrar a vocês a maravilhosidade destas músicas.


Muito obrigada, Mari Diniz, pela ajuda com esse player!

Sendo assim, quem quiser ler o livro ou a resenha com a trilha sonora pertinente, se joga no Spotify!
E antes que ela respondesse, Joel beijou-lhe a ponta do nariz e disse:
- Não chore, Ligeirinho. Mulheres duras como você não choram.
Ao ouvir isso, um soluço descontrolado saiu de sua garganta, e ele, comovido ao ver as lágrimas rolando por aquele rosto bonito, murmurou com ternura:
- Ora, parece que choram sim.
Alana é uma mulher independente, que não está disposta a deixar homem nenhum influenciar em sua vida ou seu trabalho. Aliás, está 100% comprometida com este. É uma jornalista de certo renome, que não se prende a ninguém e está muito bem assim. Muito obrigada. Até que conhece Joel: alto, lindo, loiro, forte e de olhos claros. O Pecado em forma de homem. Virilidade e charme em pessoa. O cara certo para se divertir durante o tempo em que ficará em Nova York, até que descobre um detalhe sobre o bonitão: ele é fuzileiro naval.

O capitão Joel Parker fica encantado pela espanhola de sangue quente que conhece em um bar de NY, a atração é imediata e a tensão que surge entre ambos é palpável. O que não dá para entender é por que motivo ela corre dele sempre que este chega perto. Ele se dará por vencido? Claro que não!

O que o nosso querido Capitão América não sabe é que Alana já está cansada de sofrer pelos militares de sua vida. Pior ainda, está cansada de ver as pessoas que ama sofrendo por causa deles. Notadamente os americanos. Não, para ela, é mais saudável cair fora antes que alguém saia machucado.

No entanto, Joel não está disposto a deixar a única mulher que o interessou em muito tempo sumir de sua vida dessa maneira e fará de tudo para romper a carapaça que ela veste para não se envolver emocionalmente com ninguém.
A seguir, encheu um copo com água e lhe deu um comprimido.
- Tome e vá direto para a cama – disse ele.
- Você parece a minha mãe – debochou ela.
- Deve ser porque eu também te amo.
Pelo que li, Você se lembra de mim? é o livro mais pessoal da Megan Maxwell, inspirada na história de amor de seus pais. E que grande história de amor, minha gente!!!

O livro conta com duas histórias, uma real e a outra completamente ficcional, que se relacionam. A primeira, ambientada na Alemanha da década de 60, é inspirada em pessoas reais e narra o amor entre uma moça espanhola e um cabo do Exército dos Estados Unidos. A segunda parte, que se ambienta por volta de 2003-2004, é absolutamente ficcional, narrando a história de amor da filha do primeiro casal, também com um militar americano, e sua busca por respostas a respeito de seu passado.
Larruga o viu voltar com um sorriso divertido nos lábios e perguntou:
- O que é que há com você e essa morena?
Teddy apoiou o cotovelo no balcão do bar. Depois de tomar um gole de seu refrigerante, disse com um sorriso inocente, erguendo a sobrancelha:
- Vou me casar com essa morena, amigo.
Quando a gente costuma ler determinado autor, acabamos por identificar a estilística dele e, muitas vezes, conseguimos até relacioná-lo com algumas outras tramas que vemos por fora. É o que acontece com a Rachel Gibson, por exemplo. Creio que já falei disso em alguma das resenhas que escrevi sobre ela, só não vou conseguir lembrar agora em qual...

Não é tão comum encontrar autores que se distanciem muito disso. Eu citaria a Jojo Moyes como uma autora que consegue escrever tramas completamente distintas entre si. Há também outros extremos, de autores que escrevem sempre a mesma trama, mudando apenas o contexto, mas não é disso que quero falar e sinto que estou perdendo o fio da meada.

O ponto a que quero chegar é que a Megan Maxwell me surpreendeu ao se distanciar das tramas que costuma escrever, mas ao mesmo tempo sem sair do que é o seu estilo.
Aquela canção... aquela letra... aquela proximidade... aquele momento... tudo se somou para que Teddy e Carmen se olhassem nos olhos e acelerassem sua respiração e desejo.
Mas ela, surpreendendo-o, sussurrou:
- Não me olhe assim, não vou beijá-lo.
- Eu sei esperar – disse ele, sorrindo.
A segunda parte da obra, a parte ficcional, é perfeitamente adequada ao que a Megan está acostumada a nos apresentar. Você consegue senti-la e encontrá-la em cada palavra, beijo narrado ou personagem construído. A segunda parte não foge do seu padrão.

Por outro lado, a primeira parte... é impressionante, tocante, arrebatador, emocionante.

E é a isso que me refiro quando digo que nunca pensei que a Megan seria capaz de me fazer chorar, porque realmente não sou o tipo de pessoa que chora facilmente.

E no fim do livro, quando encontrei as suas fotos de infância, que retratam a primeira parte da história de Você se lembra de mim?, foi outro vale de lágrimas.

Talvez eu tenha me acostumado a uma Megan mais hot, a autora moderninha, a que utiliza humor para retratar temas sérios, faço aqui a mea culpa. Neste livro, encontrei uma Megan diferente que me conquistou tanto – ou talvez mais – quanto aquela. 
- Estou dizendo que quero alguém que só tenha a mim no coração – respondeu sua amiga depois de beber um gole de sua bebida –, porque me recuso a dividir meu amor com outra pessoa. Quero alguém que me olhe da forma apaixonada, como o capitão metido olha para você. Que atravesse metade do mundo só para me ver por 48 horas e que me ame como eu estou disposta a amar. Só quero isso. E ontem à noite, depois de falar com Karen e ver que não sou a única para ela, decidi pôr ponto-final, peguei minha mala e fui para um hotel.
Você se lembra de mim? é um livro que te faz grudar nele durante dois dias insanos, em que você só vai largá-lo ao chegar à última página. Livro de uma tacada só e digno de DPL.

Portanto, se você quer rir, chorar, amar, se apaixonar e, sobretudo, conhecer – ou re-conhecer – uma autora excelente, que merece todos os louros que tem recebido pelo seu trabalho, não deixe de ler Você se lembra de mim?
Enquanto esperava sua vez na lojinha, umas batidinhas chamaram sua atenção. Ao olhar para a vitrine ficou em choque ao ver o cabo americano olhando pelo vidro, com um lenço branco amarrado no dedo, que ele balançava como se fosse uma bandeira. Ela não sabia o que fazer. Então, ele sorriu e Carmen, esquecendo tudo, saiu da loja.
- Olá, você se lembra de mim? – perguntou Teddy com seu sotaque peculiar.
- Claro que me lembro de você – assentiu ela, por fim sorrindo.


Curta o Dear Book no Facebook
Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta



0 comentários :

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris