quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Resenha: "A filha da minha mãe e eu" (Mariana Fernanda Guerreiro)

Por Sheila: Oi pessoas! Como anda a vida? Espero que tudo ok. Hoje vou apresentar para vocês mais um título nacional, romance de estreia da autora Maria Fernanda Guerreiro. Já no início, somos apresentados a alguma reticências ... afinal, Mariana é uma jovem em um relacionamento que descobre algo que vai mudar para sempre sua vida: ela será mãe.

Mas (palavra que inicia o romance) a alegria inicial abre espaço para muitas dúvidas. Mariana começa a se questionar e angustiar com a possibilidade de ser mãe, devido ao relacionamento nem sempre tranquilo que estabeleceu com a sua própria. Na verdade, nas palavras de Mariana, é necessário que ela se sinta filha antes de se tornar mãe. E esta talvez seja uma tarefa bastante penosa.

A partir do segundo capítulo, somos apresentados a Dona Helena, mãe de Mariana e Gustavo, por quem Mariana se sentiu, a vida inteira, preterida em detrimento de seu irmão mais velho, e incompreendida em suas tentativas de ser amada e cuidada em seus momentos de dúvida e conflito.
A primeira vez que ouvi a palavra "cínica" foi da boca da minha mãe. E o que mais me surpreendeu: era para mim que ela estava dizendo. Eu tinha apenas 5 anos e nenhuma ideia do que aquilo significava.
- Alô? Oi, é a Helena. Olha, nós não vamos mais para aí por que aconteceu um acidente ... é ... um louco bateu no carro do Tito  e a gente não vai mais ... alô, só um minuto ... - minha mãe disse impaciente ao telefone.
De repente, ela tapou o bocal e olhou para mim.
- Deixa de ser cínica, Mariana! Levanta já dai e para de drama, se não vou te dar um motivo de verdade para chorar ... - e voltou a conversar no telefone enquanto eu engolia meu choro deitada no sofá da sala.
Desde pequena, de incompreensão em incompreensão, cada vez mais vemos a história de Mariana e Helena, mãe e filha, se entrelaçar e distanciar. É como se houvesse um ruído muito grande na comunicação das duas, a ponto de não conseguirem entender o que uma tenta comunicar à outra.

Decepções, expectativas exageradas, palavras não ditas, vão recheando este espaço cada vez maior que se instaura entre as duas. Enquanto Mariana conta como foi crescer sendo duas ao mesmo tempo - ela, e quem sua mãe parecia acreditar que ela fosse - Mariana também vai nos contando a história de seus pais, como a infância de ambos foi determinante para que adotassem determinadas atitudes. E como era difícil para sua mãe ser Mãe, por também não ter podido ser filha de sua mãe.
- Pecado é trair o marido como ela fez! Pecado é ser perdoada e depois trair meu pai de novo! Pecado é fazer tudo isso na própria cama e ser pega em flagrante pelo marido! Pecado foi o meu pai ter atirado no amante daquela senhora, que se diz minha mãe, e ter sido preso! Pecado é essa mulher ter fugido e largado os três filhos enquanto meu pai estava na cadeia por causa dela! (...) Pecado foi ter sido criada por uma família que não era a minha e que me fazia de empregada quando eu tinha só 4 anos ...
Helena precisa carregar um enorme tonel de situações mal resolvidas da infância com sua mãe, o que, para Mariana, parece ser determinante na maneira como as duas se relacionam: competindo pelo amor de seu pai, enfrentando as interpretações e explosões de sua mãe, além do tratamento diferenciado que sente em relação a seu irmão.
- Tem mais suco no copo dela - apontou Guga para o meu suco de laranja.
- Não tem não! Você pôs mais suco no copo dele - respondi.
- Então, pões seu copo do lado do meu para ver - disse meu irmão enquanto arrastava o copo até o meu.
- Tá vendo, tem quase um dedo a mais no seu copo, Guga. Põe mais pra mim mã...
Não tive tempo de acabar a frase. De repente, ela segurou meu queixo, ergueu minha cabeça  e despejou toda a jarra de suco pelo minha goela abaixo. O Guga ficou mudo. Eu, atônita. Minha mãe saiu da cozinha braba.
Não conseguia nem respirar. Passado o susto, comecei a chorar. Alguns minutos depois, minha mãe voltou a cozinha. Nós dois ainda estávamos paralisados. Pensei que ela fosse se desculpar, me colocar em seu colo e dizer o que tinha acontecido. Mas em vez disso, ela disse taxativa.
- De agora em diante, um reparte e o outro escolhe. E cada um para o seu quarto agora! De castigo!
Vamos então assistindo ao desenrolar destes acontecimentos, o passar dos anos, e descobrindo o por que de algumas situações sendo como são, mas principalmente vendo o amadurecimento de Mariana, como fez para crescer sendo a filha de sua mãe - e não ela mesma - e os conflitos que adviram daí. Será que Mariana conseguirá "fazer as pases" com seu passado para poder usufruir do seu futuro?

O romance é narrado em primeira pessoa, mas nem por isso deixa de perder seu encanto. É escrito em uma linguagem super acessível, o que não inviabiliza que a estória seja contada de forma belíssima. São poucos os títulos desse gênero que me chamam a atenção, mas confesso que este me emocionou às lágrimas. A sensibilidade por trás das frases, o encadeamento sutil entre os fatos e sentimentos faz com que o livro vá muito além do que se espera.

Além disso, o desfecho me surpreendeu, esperava algo mais clichê, mas a autora realmente conseguiu transformar o fim em apenas um breve intervalo na história de duas pessoas que se conhecem, (re) conhecem e constroem diferentes começos. Recomendo.


6 comentários :

  1. Vi muita gente falando desse livro, e ele parece ser ótimo. Não é muito meu estilo, mas acho que é digno de uma chance.Gosto de livros que trazem reflexões, que nos envolvem e que nos ensinam algo, livros de ficção são bons, mas a gente não pode ficar sempre sonhando, é bom colocar o pé no chão de vez em quando.

    ResponderExcluir
  2. Muito bem presente e paradoxal ocorre de quando se tem mágoas ou muitas decepções na vida o que se chama de complexos e frustrações. Principalmente há o reflexo de tudo o que ocorreu encima dos filhos, por falta de um tratamento. E assim, todos sofrem. Pela resenha dá para ver que o livro retrata bem isso.

    ResponderExcluir
  3. Este livro é ótimo, uma leitura envolvente e emocionante.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  4. Gosto mto de livros de drama e esse toca num assunto super delicado da relação de uma filha com a própria mãe... medo de me identificar! =(

    ResponderExcluir
  5. Nossa, eu amei a resenha.
    Pelo que entendi, parece ser o livro de uma familia bem conturbada, mas que se amam.
    Gostei muito da indicação, e irei procurá-lo em minha cidade.

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito dessa resenha, o gênero de drama tem me conquistado aos poucos...

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris