sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Resenha: "O retrato" (Charlie Lovett)



Por Marianne:  Peter Byerly é apaixonado por literatura clássica e trabalha procurando livros raros que possam ser recuperados e vendidos a colecionadores. Numa de suas buscas Peter encontra no meio de um livro uma pintura em aquarela assinada por A. I. A pintura retrata uma mulher que lembra assustadoramente sua falecida esposa Amanda. Mas como um retrato possivelmente pintado na era vitoriana pode retratar Amanda?

Peter e Amanda de conheceram na faculdade. Ele era um rapaz tímido que sofria — e sofre —de distúrbios sociais, e Amanda era espontânea, inteligente e sociável. O relacionamento com Amanda deu a Peter uma nova perspectiva, perto dela a ansiedade que o atormentava ao estar rodeado de pessoas desaparecia por completo.

—Por que é tão sozinho, Peter? — ela perguntou.

Pela primeira vez desde que se sentara, Peter sentiu-se desconfortável. Ela encontrara a pergunta que ele não queria responder, não queria nem fazer a si mesmo, e podia ver no rosto dela que ela devia estar sentindo seu desconforto.

—Não precisa me dizer—ela falou, apertando a mão dele, mas sem soltar.

—Não tenho certeza— respondeu Peter. —Se outra pessoa tivesse me perguntado, eu apenas diria que passei a infância me escondendo dos meus pais bêbados, mas não é essa a resposta completa. A verdade é que é culpa minha tanto quanto deles. Sempre tive medo de conhecer pessoas. Medo ou talvez preguiça.

—Preguiça?

—É, como se eu não quisesse me esforçar para conhecer alguém, se podia ficar sentado no porão ouvindo discos e colecionando selos. Era fácil.

—Você está fazendo um esforço comigo — Amanda disse.

Após a morte repentina de Amanda Peter voltou para seu casulo. Cortou contato com amigos e família e se mudou pra Londres, para a casa onde ele e Amanda planejavam construir suas vidas.

Motivado pelo mistério da aquarela Peter decide descobrir quem é A.I e sem nem perceber vai aos poucos saindo da bolha que criou em torno de si desde a morte de Amanda. E pra aguçar ainda mais sua curiosidade, Peter encontra sem querer no meio de sua busca o que pode ser uma obra genuína de Willian Shakespeare.

O que era uma busca motivada apenas por curiosidade se transforma em uma caçada onde alguns estão dispostos a tudo para por as mãos na obra de Shakespeare.

O livro é divido em três tempos. O primeiro é o presente onde Peter está desvendando o mistério de quem pode ser A.I., o segundo ocorre alguns anos antes quando Peter e Amanda ainda estavam na universidade e o terceiro se passa na Inglaterra de 1522, quando o filho do luveiro, conhecido como Willian Shakespeare, estava apresentando seus primeiros sonetos.

A história é uma mistura de drama e suspense. Me lembrou bastante o ambiente criado por Dan Brown para suas histórias.

A divisão de tempos da história por vezes acaba confundindo, são muitos personagens e muitas histórias paralelas que vão se juntando bem aos poucos.  Cai na besteira de viajar de férias no meio da leitura e esquecer o livro em casa, quando voltei e peguei de volta tive que reler quase tudo pra "entrar" na história de novo.

Quem gosta de literatura inglesa e de suspense vai gostar de O retrato, além de conhecermos um universo de colecionadores e falsificadores (às vezes tão famosos quanto os próprios autores das obras) que eu nem sabia existir.

Espero que tenham gostado da indicação, deixem seus comentários sobre o livro.
Até a próxima, boa leitura!

Curta o Dear Book no Facebook
Siga o @dear_book no Twitter e o @dearbookbr no Insta


0 comentários :

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris