terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Resenha Dupla: “Cinquenta tons de cinza” (E. L. James)

Duas resenhas, com pontos de vista bem distintos, do polêmico “Cinquenta tons de cinza”
Por Gabi: Impulsionada por sua paixão pela Saga Crepúsculo, a inglesa Erika Leonard James, escreveu uma fanfic chamada "Master of the Universe" ( Mestre do Universo em tradução livre), que recebeu,  desde o início, milhares de acessos. A partir dessa despretensiosa criação de James, nascia o maior sucesso literário de 2012! Com mais de 200 mil exemplares vendidos em três semanas no Brasil e se tornando o livro mais vendido de todos os tempos, Cinquenta Tons de Cinza ofuscou as vendas do antigo recorde, Harry Potter e As Relíquias da Morte em poucos meses. Movida por todo esse boom, me vi obrigada a ler esse livro para ver do que se tratava esse sucesso todo.

Em Cinquenta Tons de Cinza, somos apresentados a um relacionamento nada trivial entre a incente jovem Anastasia Steele, desastrada nata e com uma beleza simples e o bilionário, sedutor, enigmático, com um triste passado e irresistível Christian Grey.

A história começa quando Ana vai substituir Katherine Kavanagh  em uma entrevista para o jornal da faculdade, já que a amiga foi vencida por uma gripe às vésperas da tão esperada oportunidade de entrevistar o CEO da Grey Enterprises Holdings, grande empresário e principal benemérito da universidade delas.

Recebida pelo exuberante Christian Grey, Ana esbanaja sua falta de jeito na entrevista munida das perguntas pré-preparadas por Kate. Como se não bastasse a situação desconfortável em que se encontra, Ana se vê completamente atraída por aquele homem. O que ela não sabia, porém, é que sentimento era recíproco…
” Você me desarma totalmente, senhorita Steele. Por tua inocência. Que supera qualquer barreira. “
Depois de ter ‘resgatado’ Ana de seu amigo e eterno pretendente (não correspondido) José, em um bar de Portland, numa comemoração do fim da faculdade que acabou em doses a mais de margueritas e tequilas, a relação deles começa a ficar cada vez mais íntima. Grey ajuda Ana a se recuperar do porre, a leva para seu apartamento no Hotel Heathman e cuida da moça.  Enquanto isso, aquele desejo que havia sido despertado na entrevista vai tomando proporções cada vez maiores.

Ana descobre, então, que os gostos de Christian, na verdade, são bem diferentes. O cara é praticante de BDSM (Bondage e Disciplina, Dominação e Submissão, Sadismo e Masoquismo) e tem em seu mega apartamento um Quarto da Dor.
“ – Anastasia, eu não sou o tipo de homem sentimental… Não curto romance. Meus gostos são muito singulares. Você devia ficar longe de mim. – Ele fecha os olhos parecendo derrotado. – No entanto, por algum motivo, não consigo ficar longe de você. Mas acho que você já notou isso. “
A partir daí, eles embarcam em um relacionamento intenso, revelador e recheado de extravagâncias (sexuais ou não). Para começar, a guria deve assinar um Contrato de Fidelidade, com o qual se compromete a não contar a ninguém detalhes de sua relação com Grey. E não para por aí. Ana ainda deve assinar outro “acordo” em que estão estabelecidas regras de comportamento e da relação Dominador-Submissa.

Confesso que quando cheguei nessa parte, pensei: “É loucura demais para mim. Acordos por escrito? Já deu!” rsrs Mas resisti bravamente.

As cenas de sexo existem, sim, e são bem detalhadas. O BDSM está mais presente livro, por isso ele tem uma pegada mais “crua”, se podemos assim dizer. Em algumas cenas, Christian diz à Anastasia “Quero de foder agora” ou “Vou te comer aqui mesmo”.  O ‘sexo baunilha’, assim como Grey gosta de chamar, que é mais romântico e doce, não é bem a praia do primeiro volume da trilogia.

Percebi, entretanto, que o que realmente chamou minha atenção no livro é que relação entre Christian e Anastasia vai muito além da sacanagem e do sexo-dominador. Toda aquela de contratos pra cá e contratos pra lá, vai por água abaixo a partir do momento em que eles vão descobrindo, juntos, o universo um do outro.  E que, na verdade, Anastasia é a grande Dominadora!
“ – Sabe, quando você caiu na minha sala para me entrevistar, só dizia “sim senhor”, “não senhor”. Achei que fosse uma submissa nata. Mas, francamente, Anastasia, não sei ao certo se tem algo de submisso nesse eu corpo delicioso. “
O livro é uma boa pedida de entretenimento. A escrita de James não é brilhante, mas a obra é de leitura fácil e bem rápida, somos presos pelo romance e pela relação incomum do casal. Consegui até arrancar boas risadas dessa leitura. Muitas vezes taxado de “pornô para mamães”, ouso dizer que a trilogia é bem mais um romance sensual do que erótico propriamente dito. Tenho que ressaltar, entretanto, que se você já leu a Saga Crepúsculo, viverá intensos déjà-vus ao longo de Cinquenta Tons de Cinza. As semelhanças com as personagens, seus comportamentos e algumas situações, são inegáveis.

Para os que não estão certos se querem investir tempo e dinheiro no livro, há uma boa (será?) notícia. Foi confirmado pela autora há pouco tempo pela autora que a trilogia receberá adaptação para as telonas. Agora nos resta esperar.
OBS: A resenha da Gabi foi publicada também no site "Frequência Global".
__________________________________________________________

Por Juny: Demorei 6 meses para terminar de ler esse livro. As vezes ficava com tanta raiva dos protagonistas que precisava dar um tempo da leitura. Pensei em larga-lo mais de 10 vezes, mas segui em frente porque para poder critica-lo, eu tinha que conhece-lo e persistir na leitura até o fim.

O enredo basicamente é a garota ingênua, Anastasia, que se apaixonada pelo milionário, Christian Grey, sexy, misterioso e cheio de gostos exóticos no que diz respeito ao sexo, que lhe propõe um contrato, para que ela seja sua submissa.
“Eu quero Christian Grey. Eu o quero desesperadamente. É fato. Pela primeira vez na vida, quero ir para a cama com um homem. Quero sentir suas mãos e sua boca em meu corpo.”
O inicio do romance é uma das melhores partes, foi o que mais prendeu minha atenção. As cenas de sexo, no inicio podem ate gerar uma curiosidade sobre as praticas nada comuns de Christian ou até mesmo chocar, mas depois se tornam extremamente repetitivas. Queria mais diálogos, jogos de sedução, como os do inicio do livro, mas o que vi foram paginas e mais paginas de sexo por qualquer motivo, em qualquer lugar.

Anastasia no inicio é bem ingênua e é interessante a maneira como se envolve com Christian, mas depois ela perde muito da sua personalidade e dignidade pra agrada-lo. Christian no inicio é um cara misterioso e extremamente sedutor, mas depois se mostra muito problemático. Kate, a melhor amiga de Ana, foi a minha personagem favorita no livro, a única pessoa sensata na trama.

Sei apreciar um bom livro hot, mas com “Cinquenta tons de cinza” não rolou. Inclusive ficava indignada com os momentos em que ele queria puni-la, bater, faze-la sentir dor; não era uma simples palmada, era bem mais psicótico. Por mais que tenha toda aquela questão do passado dele, não justifica esse tipo de atitude. Não vou entrar no mérito dos gostos das pessoas que praticam relações BDSM (http://pt.wikipedia.org/wiki/BDSM), mas acho que nem isso justifica o jeito de Grey.
“Fiz, sim, o que meu coração mandou, e fiquei com a bunda doendo e o espírito abatido por causa disso”
Acho que o problema foi que esperei tanto pelo livro, com as expectativas nas alturas que acabou criando tanta decepção. Se eu tivesse abandonado o livro teria uma impressão ainda pior. Do meio pro final a autora tenta amenizar um pouco as coisas. E por falar na autora, achei o estilo dela bem amador e superficial, talvez melhore no decorrer da série.

O melhor do livro é a troca de e-mails entre os protagonistas, muitas vezes as respostas são irônicas e espirituosas, o que aliviou um pouco o martírio das 455 páginas que pareciam nunca ter fim.

Vou continuar a série? Talvez, ainda não me decidi se consigo me forçar a ler mais para continuar esperando que fique bom. É um livro que todo mundo tem que ler e tirar suas próprias conclusões, com toda a repercussão que gerou mundialmente e a quantidade de fãs, mostra que tem seus méritos.


14 comentários :

  1. Admito que a minha opinião sobre Cinquenta Tons de Cinza pendeu muito mias para a da Juny do que para a da Gabi.
    E acho que o meu problemas talvez tenha sido o mesmo: eu esperava bastante do livro. Todos estavam falando tanto e tanto que deu curiosidade e o começo do livro é até interessante, mas não demora muito para que cai na mesmice, não tem muito conteúdo.

    ResponderExcluir
  2. Muito democratica a resenha, entendo a indignação da Juny, mas, assim como a Gabi gostei do livro. Acho que ele melhora mais no decorrer da serie, vc devia dar uma chance. Nao é o melhor livro do ano, como muitos tem pintado por ai, mas é interessante.

    ResponderExcluir
  3. Minha opinião não é parecida com nenhuma das duas, mas gostei de ter outros pontos de vista sobre o tão polêmico 50 tons. Mesmo discordando, acho interessante que todos expressem sua opinião, pq no fim o que fez 50 tons ser um fenômeno foi justamente essa polêmica toda.
    Bjs, lu

    ResponderExcluir
  4. Bem corajosa a segunda resenha, vejo tanto blogueiro enaltecer esse livro só por causa da modinha ou da parceria, pouca gente fala a verdade.

    ResponderExcluir
  5. Achei muito legal vocês exporem 2 pontos de vista. Isso faz que várias pessoas se identifiquem, e eu posso dizer que me identifiquei com um pouco de cada uma. Não gostei muito do primeiro livro, esperava muito mais dele a partir de tantas críticas positivas, porém foi um livro que me prendeu, pois queria saber o que vinha a seguir. Os outros livros estão sendo bem melhores, estou no terceiro agora, e espero que o final não me decepcione.

    ResponderExcluir
  6. bacana a resenha, ja li varias resenhas falando desse livro com opinioes boas e ruins. mas para mim nunca me agrado muito não essa historia não sei porque

    ResponderExcluir
  7. Gizeli Regina Meistersexta-feira, fevereiro 15, 2013

    Quando comecei a ler a trilogia, pensei.....Meu Deuss!!!!!O que é isso!!!!!!
    nas ultimas páginas, fiquei desesperada pra que ELJames desse continuação.
    Essa trilogia é muito mais que erotismo, pra mim no plano de fundo é a velha história, o príncipe encantado e a gata borralhera, seguido pela historia de dois jovens se descobrindo e amadurecendo juntos numa relação. E por fim e pra dar o toque final o sexo. Uma ótima leitura pra quem tem a mente aberta e gosta de analizar as histórias.

    ResponderExcluir
  8. Eu li a trilogia porque não aguentava mais todo mundo falando desse livro e eu não ter lido e não saber do que o povo estava falando, mas como já havia lido algumas resenha não tinha grandes expectativas, ainda bem, porque assim como você disse, li para tirar minhas proprias conclusões e o que mais gostei nos livros,tambem foi a troca de e-mails, não posso dizer que é um livro ruim, mas tambem não posso dizer que é bom. O fator que achei positivo, é que não importar se o livro é bom ou ruim, o importante é que incentivou muita gente a ler.

    ResponderExcluir
  9. Assim como alguns comentarista acima, li a série toda por pura curiosidade e pq mtuuu gente estava falando loucamente sobre esses livros. Não achei o livro tão bom assim a ponto de ser um best-seller e tals e não é nem pelo tema abordado, mas sim pela escrita da autora que achei um pouco enrolada em determinados trechos dos livros =|

    http://autoracarolinaribeiro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Já li várias resenhas deste livro, algumas falando bem outro falam mal, mas acho que so terei uma opinião formada ao ler o livro, mas estou preferindo ler o livro"Toda Sua", já que dizem que este possui mais historia!!

    ResponderExcluir
  11. Estou lendo esse livro. Achei que seria algo realmente extraordinário, mas até agora não vi nada disso. Talvez da metade em diante as coisas mudem, mas até agora, nada de importante. Gostei da sua resenha.

    ResponderExcluir
  12. Já li o livro, e não foi grandes coisas, mas não é ruim. O romance foi o que mais me chamou a atenção, e é por isso que não vou abandonar a trilogia.

    ResponderExcluir
  13. Já ouvi tantas coisas sobre Cinquenta Tons de Cinza e confesso que, mesmo sem ler concordo com a Juny. Eu sei que só devemos criticar algo quando conhecemos, porém já li trechos desse livro e achei completamente desnecessário. Sinceramente que protagonistas são esses? O Grey pode ser sedutor, mas os trechos que li a sua psicose era tamanha que tive nojo de sequer triscar novamente no livro. Minha amiga tentou me convencer a ler, mas... Vai ser difícil tentar realizar este feito. Acho que é pelo fato de não ter estômago pra tanta exacerbação e insinuações apelativas. E também não sou nada a favor de relações submissas. Respeito, mas não é uma coisa que apoio e leria a respeito algum dia.

    ResponderExcluir
  14. Oi adorei sua resenha!.. muito obrigado...me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?
    busca.livrariasaraiva.com.br/saraiva/Reverso
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris