quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Resenha: “Os Últimos Quartetos de Beethoven e outros contos” (Luis Fernando Verissimo)

Por Marianne: Não sou das mais chegadas em contos, e também não sou muito fã do Verissimo, então imaginem o pequeno preconceito que carreguei comigo quando comecei a ler “Os Últimos Quartetos de Beethoven e outros contos”.

O livro e uma reunião de dez contos de Luis Fernando Verissimo, escritor brasileiro bastante conhecido por suas crônicas e contos. É um livro de leitura fácil e rápida, os contos são curtos e conseguem prender a atenção mesmo sem muitas surpresas.
“Tenho outros por dentro que nem eu entendo, minha teoria é que a gente nasce com varias possibilidades e quando uma predomina as outras ficam lá dentro, como alternativas descartadas, definhando em segredo, ressentidas. E, vez que outra, querendo aparecer. Tudo bem, viver junto e ir descobrindo o que cada um tem por dentro, os dezessete outros de cada um, e aprendendo a viver com eles, a gente se adapta. Um dos meus dezessete pode não combinar com um dos dezessete dela, então a gente cuida para eles nunca se encontrarem. A felicidade é sempre uma acomodação.” (Obsessão)
Um dos contos, “Lo”, trata de dois temas bem polêmicos: pedofilia e incesto. Achei bem desnecessário, na minha mais que humilde opinião, quando é pra tratar de assuntos que causem desconforto ou repulsa no leitor/espectador que seja por alguma razão, que passe alguma informação, que nos mostre uma analise dos personagens, que mostre que o assunto não esta sendo abordado apenas pra chocar gratuitamente.

Meu preconceito agora e um conceito formado: achei tudo muito óbvio. A ironia usada por Verissimo não me conquistou, os contos tem mensagens óbvias passadas de uma maneira sem emoção. Alguns trechos chamaram minha atenção, mas nada que tenha feito a diferença no desenrolar da historia e que fosse o suficiente pra me fazer mudar de ideia em relação ao livro.
“- A morte de uma pessoa está com ela desde que ela nasce. O senhor só não tinha me visto ainda, mas eu estive com o senhor durante toda a sua vida.” (A mulher que caiu do céu)
E um livro pra carregar na bolsa e ler despretensiosamente. Verissimo escreve de uma maneira que não da vontade de parar. E mesmo os contos não tendo aquela emoção de “Nooossa, que surpreendente!”, com certeza vão prender sua atenção.

Talvez eu tenha ido com muita sede ao pote (livro!), não sei. Não quis ler a opinião de outras pessoas sobre “Os Últimos Quartetos de Beethoven e outros contos” antes de escrever a resenha pra não “contaminar” a minha. Se alguém já leu ou vai ler e tiver alguma ideia diferente e só deixar nos comentários, estou bem curiosa pra saber o que outras pessoas acharam do livro.

Ate a próxima resenha amigos!

Beijos : )

4 comentários :

  1. Apesar de não ter muito costume de ler contos por preferir histórias mais longas, eu fiquei com vontade de conhecer cada um desses personagens citados. Espero que me agrade!

    ResponderExcluir
  2. Não li esse livro. Já li vários livros com contos. Esse não me chamou muita atenção.

    ResponderExcluir
  3. Nunca li nada do autor, mas não tenho nenhuma ideia formada a respeito.
    Gosto de livros de contos, pois histórias curtas me atraem - e elas raramente são miuto elaboradas e com reviravoltas grandiosas.
    Diferente de você, eu aprecio temáticas pesadas para causar desconforto, acho um mal-estar agradável, pois mesmo se tratando de algo que acontece na vida real, estou lendo uma ficção, então tudo bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marianne esqueceu de informar que o conto "Lo" de Luiz Fernando Veríssimo é uma paródia, aliás muito grosseira e surpreendentemente mal feita, do livro "Lolita" de Vladimir Nabokov

      Excluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris