segunda-feira, 15 de agosto de 2011

[Gastronomia & Literatura] Resposta à Menina Pequena por Nina Horta

Bom Dia... Meus queridos, hoje não separei nenhum livro em específico, porém lendo uma das colunas do suplemento Comida do jornal Folha encontrei esse texto de Nina Horta e não pude deixar de compartilhar ele com vocês.


Sobre a autora:
Nina Horta, cozinheira e escritora, é proprietária do buffet Ginger. Estudou educação na USP. Na Folha escreve semanalmente sobre gastromonia, na Ilustrada, onde, por meio da culinária, reflete sobre a cultura brasileira. É autora do livro "Não é Sopa", um dos clássicos contemporâneos da crônica brasileira e o "Vamos Comer", com 250 mil exemplares distribuídos pelo MEC para as escolas públicas de todo o Brasil.

Resposta à Menina Pequena
Menina pequena que me pede como aprender a cozinhar. O que fazer para começar? Depende. Você ainda não sabe se será profissão, vocação, missão ou hobby. Vá aprendendo ao deus-dará e vivendo a vida.

Estude bastante, aprenda uma língua – inglês, de preferência – leia muito, vá ao cinema, ao teatro, assista TV, aprenda a costurar ou bordar ou jogar bola. Tudo isso vai ser importante na hora de cozinhar.

Não se esqueça de jardinagem, nem de natação ou do salto de obstáculos e das pequenas e deliciosas coisas da vida, como tomar café de manhã sem ninguém por perto, numa manhã de sol brando.

As receitas propriamente ditas são recortes de um tempo, de um lugar, não são tão importantes. Mas é uma época divertida aquela em que se monta fichas, cadernos, cola-se recortes, anota-se no iPad.

Se quiser cursar gastronomia, tudo bem, mas qualquer outra que você curse vai ter o mesmo efeito, se começar a trabalhar com um bom chef num bom restaurante.

Não é sopa, mas é lá que você vai ver se gosta mesmo de cozinha. A disciplina é férrea, não tem hora para brincar. Diga adeus àquela minissaia vermelha, às flores no cabelo, à barriguinha de fora. Cozinheiro que é cozinheiro tem o maior respeito e orgulho do uniforme.

Mas, não pense que é ficar toda linda, de toque branco e calça xadrez fazendo risoto de violetas. Adivinhe quem vai lavar o chão no fim do dia? Você, menina.

Se não suportar esse lado de limpar, lavar o que os outros sujaram, se não for paciente e obstinada, desista já enquanto é tempo.

Geralmente o bom cozinheiro é obsessivo com essa história de limpeza e você vai acabar obsessiva também. A cozinha pede e a gente obedece, é uma coisa artesanal que pede muito as mãos, o jeito é a obediência aos chefes, o respeito pelo saber. Todo esse tempo você estará crescendo por dentro. Não que você não possa aprender algumas coisas sozinha, mas demora mais.

Tem uma hora que as primeiras técnicas vão ser dominadas e você lá, pimpona, toc, toc, toc, com aquela faca maravilhosa comprada com seu primeiro salário e guardada num envelope de pana, só sua, na sua faca ninguém mexe. Pode começar daí um comichão de criar.

Acho que li num livro do Bourdain, não me lembro, de um chef que entrevistava os candidatos a cozinheiro e dizia: “Depois escuto essa conversa de flores na salada, daqui a dois anos venha conversar comigo, mas agora quero você assando 15 pernis ao dia, na perfeição, ok?”

É uma profissão sofrida que te rouba muito da vida social, pois quando estão festejando o cozinheiro está lá, no fogão. Dá muito e muito prazer, também. Aprender pela vida inteira é um belo desafio.

Como a cozinha está ligada a tudo e todos, será um estudo sem fim, mas totalmente misturado a lugares, pessoas, costumes, tradições, técnicas novas. Prefere ficar no fogão do que na festa? Já é um sinal de “borralheira” que pode te levar um dia a Cinderela. Agora, se você escolhesse ser pianista ou médica seria muito diferente? Acho que não. Voltamos a conversar.

Eu me identifiquei muito com esse texto e para não perder o costume separei uma receita especial só para vocês. O texto fala de um risoto de violetas, confesso que procurei a receita para postar, porém não encontrei... então escolhi o Risoto de Pétalas de Rosas. Espero que gostem.

A única recomendação é utilizar, eventualmente, flores orgânicas, que é cultivado sem pesticidas.

Ingredientes para duas pessoas:
  • 200g de arroz Carnaroli
  • 20g de manteiga
  • 1 / 2 cebola bem picadinha
  • 1 copo de vinho branco seco
  • 1 lt. caldo de legumes
  • 2 botões de rosa
  • Mais uma colher de manteiga
  • 2 colheres de sopa de creme de leite
  • sal ao gosto

Preparo:

Lave as pétalas e coloca de molho por 10 minutos em um copo de água morna. Frite as cebolas na manteiga, acrescente o arroz mexendo sempre, assim que ele absorva a manteiga.

Neste ponto, aumento de calor e molha o arroz primeiro com o vinho, deixe evaporar, depois acrescente com a água de rosa e, em seguida, com uma concha de caldo quente; mexa sempre e vai adicionando um pouco de caldo pouco a pouco.

Após 15 minutos, você tem que provar o arroz, muitas vezes para se certificar de que não cozinhe demais. Cinco minutos antes de retirar o arroz do fogo, acrescente as pétalas frescas cortadas em tiras finas, mexendo o arroz o tempo todo.

Depois de cozido, retire do fogo, tempere com um colher de sopa de manteiga e duas colheres de sopa de creme de leite e, antes de servir, deixe descansar por 5 minutos para que ele possa misturar bem.

O sal é melhor adicionar no final, depende do sabor do caldo que você usou. Se você quiser, pode usar algumas pétalas inteira de rosa para enfeitar o prato.

Então pessoas, espero pela opinião de vocês sobre o texto de Nina Horta e sobre a receita e até semana que vem...

Boa Leitura e Bon Apetit

Um comentário :

  1. [COMENTARIOS PERDIDOS NA TRANSIÇÃO DO SISTEMA INTENSEDEBATE PARA O DO BLOGGER]

    Leitoras Anônimas · 5 weeks ago
    Também me identifiquei muitoo com esse texto! Adorei a escrita da Nina :)
    E essa receita parece ser uma delícia! A minha mãe costuma colocar essência de rosas em alguns doces árabes que ela faz, e dá um toque super especial... imagina então com as rosas propriamente ditas *-*
    Não tem nada melhor do que se aventurar na culinária, criar pratos únicos e fazer tudo do seu jeito... eu adoro, é um ótimo passatempo!
    Amei o post, essa é a minha coluna preferida :)
    Abraços, http://leitorasanonimas.com


    Juliana Almeida · 5 weeks ago
    Adorei o texto, muito bem escrito! Nunca tinha lido nada da Nina Horta.

    Agora quanto a receita, eu ate experimentaria para ver como fica o risoto com rosas, mas teria um pouco de receio! XD


    Babi Dewet · 5 weeks ago
    Adorei o texto, que super fofo *_*
    Sou uma péssima cozinheira, tho!


    Myl@ · 5 weeks ago
    Muito legal o texto, eu só sei cozinhas algumas coisas, em sua maioria doces, rs, aqui em casa todos gostam das minhas tortas, pavês e eu gosto muito de fazer, mas tenho que aprender a fazer receitas salgadas, só sei o básica dessa parte. Gostei da receita, adoro risoto, qualquer dia eu tento fazer.


    Bruna:) · 5 weeks ago
    hahaah adorei o texto, muito legal! Cozinhar definitivamente não é minha praia, sou um desastre rsrsrsrs
    ;*


    Sanélia · 4 weeks ago
    Muito legal mesmo. Adorei a receitinha. Aliás, estou adorando esses posts que envolvem receita. =D


    Litch · 4 weeks ago
    Nossa muito bom o texto! E bem exótica a receita!

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris