quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Resenha: "Apátrida" (Ana Paula Bergamasco)

Por Sheila: No interior da Polônia, no período após a 1ª guerra mundial, vive Irena, a mais nova de 8 filhos de humildes agricultores. Toda a história é narrada por esta mulher, desde sua infância até a meia-idade, suas crenças, lutas, dissabores.

Ainda pequena, aos 4 anos de idade, é visitada pela morte quando sua irmã Anna falece. No entanto, o enterro e a despedida dolorosa e difícil de entender a uma menina tão pequena, é também o momento de encontrar a pessoa que terá papel fundamental nos próximos anos de sua vida: Jacob, um menino judeu vindo de uma família que parece ter sérios conflitos com a sua, o que é evidenciado pelo comportamento reticente de seu pai.

Mesmo assim, seu interesse pelo menino acaba suplantando estas desavenças, tornando-se este um grande amigo e, mais tarde, um grande amor. Por questões culturais e ideológicas - a família de Jacob é judia e a de Irena católica ortodoxa - acabam não ficando juntos, casando Jacob com a também judia e refinada Ewa, deixando Irena sentindo-se miserável e preterida por ser apenas uma simples camponesa.

Parece que eu contei toda a história não? Mas este é apenas o início da trama. Irena, que debatia-se pelo desencantar de suas pretensões frustradas, não sabia que algo muito pior ainda estava por vir: a eclosão da 2ª Guerra Mundial, a caça Nazista aos judeus e - o que muitos as vezes esquecem - a miséria do povo Polonês, rendidos aos Alemães e levandos a vidas tão paupérrimas e miseráveis, se não nas ruas de sua pátria, em campos de concentração.

Logo no início, a autora fala sobre as agruras da Guerra pela voz de sua personagem Irena - que tem no livro a publicação de suas memórias:
Ainda não consigo entender o grau de loucura com que uma pessoa se reveste para, segundo ordens de seus superiores, matar seu igual ou atentar contra a vida de alguém, não importa o quanto este outro seja diferente. Autodefesa? Duvido. A maioria das guerras foram decididas por interesses econômicos. Então quando há o primeiro ferimento e a primeira morte não importa se de um soldado ou de um civil, as partes envolvidas se tornaram perdedoras. A vida tem um preço inestimável, imensurável. Nada justifica a sua perda. Desse modo, desconheço qualquer vencedor na segunda Grande Guerra. Todos tiveram baixas. Todos sofreram muito.
E é justamente dos sofrimentos e pesares vividos por esta mulher e seus familiares - pais, irmãos, sobrinhos e filhos - que trata a estória deste livro. Em meio aos sonhos destruídos, as lágrimas, traições e abandonos, a luta de alguns poucos por permanecerem HUMANOS apesar do status de menos que ratos infligidos pelo sistema Nazista, que além de lhes tirar a casa, afetos, dignidade, também lhes transformou em seres sem lugar: Irerna será uma Apátrida.
- Acho que tem alguma coisa errada no meu documento. Nasci na Polônia. Meus pais e avós, por séculos, são poloneses. No passaporte, na minha nacionalidades esta escrito: Apátrida. O que quer dizer isso?

O moço suspirou irritado. Parecia uma pergunta recorrente.

- Quer dizer que a senhora, daqui para diante, não tem pátria.
Eu não entendi. Como assim não ter pátria? A gente não nasce com ela? Inquiri o senhor, já quase em lágrimas. Ele suavizou a fala, um pouco mais condescendente.

- Sinto muito. Estas são as regras.
A narrativa é bem construída e amarrada. O livro possui capítulos pequenos, e é contado alternando entre o passado e futuro de Irena - os fantasmas do pretérito e sua influência na vida presente, chegando num ponto em que os dois acabam por culminar em um só e mesmo relato. A linguagem é clara e objetiva e, por mais que tenha-me feito emocionar mais de uma vez, em nenhum momento tende ao piegas ou ao sentimentalismo.

A par de outras obras existentes que tem por pano de fundo a Segunda Guerra, Apátrida mostra-se uma narrativa surpreendente, que emociona e também nos faz pensar. Mais do que falar das agruras do passado, vem para nos ajudar a refletir sobre o presente: quais são nossos valores? Por que temos tanta dificuldade em aceitar o que é diferente? Quem somos nós para julgar o Outro em sua singularidade? Dizendo que os ricos, os magros, os heterossexuais são o "normal", não criamos estigmas que fazem sofrer milhares de pessoas?

Por mais que o regime Nazista seja um exemplo extremado de até onde vai a intolerância pelos que são considerados "diferentes", é interessante nos perguntarmos o que temos feito para que a sociedade em que vivemos seja mais justa, e as pessoas possam viver em maior equidade ... Apátrida, vem para nos mostrar, mais uma vez, o quanto a literatura Nacional vem crescendo nos últimos anos, e nos brindando com obras tanto belas como bem escritas como esta. Super recomendo!

13 comentários :

  1. Gostei e muito da sua resenha, me fez ter uma curiosidade e até mesmo uma necessidade de ler esse livro. Sempre gostei de livros que me transmitisse uma mensagem e me ajudassem a refletir algo. Esta ja esta na minha meta de leitura. Bju

    ResponderExcluir
  2. Ei Sheila, quando li realmente fiquei emocionada com a história da Irena, e o jeitinho que autora escreveu ajudou ainda mais fazer-nos sentir essa emoção.

    Ótima resenha!
    Beijosss

    ResponderExcluir
  3. Capa linda!
    Resenha muito bem estruturada! AMEI


    Beijo Beijo, Espero sua visita
    Modaeeu.blogspot.com
    Blanc

    ResponderExcluir
  4. Vai pra minha lista de desejados com toda certeza. Adorei a resenha, muito interessante a ideia de repensar nosso valores... Antes odiava esses livros em torno da 2° gerra, quando li O menino do pijama listrado, saí catando quase todos que fazia parte desse 'tema'. E esse parece ser surpreendente também.
    Beijos.
    @MarcinhaCS_

    ResponderExcluir
  5. Muito bem escrita essa resenha, parabens! Me convenceu a adquirir o livro!

    ResponderExcluir
  6. Já ouvi falar bastante desse livro.
    A capa é linda e a história parece ser emocionante.

    bjs
    Tais
    http://www.leitorafashion.com.br

    ResponderExcluir
  7. Já faz tempo que estou querendo ler este livro.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  8. A capa é extremamente linda, so que eu acho que tem que gostar bastante do assunto para ler, pois é uma historia a ser levada a seria, nao para relaxar e por diversão

    xx carol

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Eu sou apaixonada pelos livros assim, com uma história que nos fazem repensar as nossas atitudes, os nossos princípios, e acima de tudo, saber valorizar o que temos. E amei a resenha. Vou comprá-lo, com certeza! ;)

    ResponderExcluir
  11. Oi gostei muito da resenha, dessa autora li o livro João & Maria e gostei bastante, quero muito ler Apátrida, só vejo resenhas boas, e isso me deixa bem animada para ler...
    BjOs!!!

    ResponderExcluir
  12. Adoro livros que ocorrem em um cenário, em um tempo de guerra, e com pessoas judias. Aparentemente, o livro já é lindo! A estória deve ser ótima! Todas as resenhas são positivas (:

    Espero poder ler. Ficou ótima sua resenha!

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Parece ser realmente um bom livro, estava vendo esses dias e havia me interessado. O cenário judeo é bem bacana.

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris