domingo, 27 de outubro de 2013

Resenha: "Trono de Vidro" (Sarah J. Maas)

Por Sheila: Oi todo mundo! Como vão indo? Eu estou com uma clavícula quebrada (no momento em que escrevo, não sei quando a resenha será publicada) mas fora isso tudo tranqüilo. Mas, graças ao meu pequeno acidento, ler é o que mais tenho feito nos últimos dias e o resultado? Resenhas!

Mais uma trilogia ... e sei que elas são inúmeras, mas sabem, eu não consigo me cansar delas. Até estou aprendendo a lidar com a expectativa pela continuação da estória. Talvez seja exatamente por isso que elas estão sendo criadas aos montes: aprendermos a esperar e ter paciência. E vocês o que acham?

Bom, Sarah J. Maas é mais uma daquelas autoras da qual eu nunca havia ouvido falar e que fiquei conhecendo graças ao blog e as editoras parceiras. Apesar de “Trono de Vidro” ser sua obra de estréia, a autora mantém um blog onde já vinha “brincando” e criando tudo o que nos apresenta neste livro.

Celaena é uma assassina e, acreditem ou não, sua criação inspirou-se na estória de Cinderela. Mas ao invés de termos uma jovem perseguida pela madrasta, teremos uma assassina mundialmente conhecida, presa como escrava nas minas e sal de Endovier, um lugar frio, onde os prisioneiros são enviados para morrer.

Apesar disso, Celaena já está prisioneira há um ano, sobrevivendo muito mais que a maioria que é enviada para o mesmo lugar. Mas talvez ela não tenha mais que continuar sendo subjugda a trabalhos forçados. Chaol Westfall, capitão da Guarda Real, a está escoltando, para ouvir uma proposta singular de ninguém menos que Dorian, príncipe herdeiro de Adarlan. Mas Celaena será tudo nesta pequena audiência, menos cordata.
Dorian sorriu.
- Que olhos impressionantes você tem! E como é raivosa!
Perto o suficiente para estrangular o príncipe herdeiro de Adarlan, filho do homem que a sentenciara a uma morte lenta e miserável, o autocontrole de Celaena se equilibrava perigosamente na beira de um abismo.
- Exijo saber – começou ela, tentando se aproximar, mas o capitão da guarda a puxou para trás com toda a força.
- Eu não ia matá-lo seu idiota.
- Cuidado com a língua antes que eu a jogue de volta nas minas – disse o capitão de olhos castanhos.
- Ah, não acho que você faria isso.
- E por que não? – replicou Chaol.(...)
- Porque há algo que vocês querem de mim, algo que querem tanto que vieram até aqui pessoalmente.
E Cealena está certa. O Rei está escolhendo um novo campeão,  ou seja, alguém para matar em seu nome. Para tanto está organizando um torneio em que seus conselheiros e generais apresentarão cada um seu campeão. A proposta de Dorian? Que Celaena seja sua campeã neste torneio. Caso vença, terá que servir ao rei por cinco anos, antes de lhe ser concedida liberdade. Se recusar – ou se perder – será enviada de volta para as Minas.

Apesar de sua repulsa em servir ao rei, Celaena aceita sua proposta. Afinal qual sua alternativa? E dirigi-se junto com o príncipe herdeiro para Adarlan, reino onde ficou conhecid como a maior assassina de todos os tempos.

O Reino inteiro está em guerra, devido a ganância e desejo de poder do rei de Adarlan, pai de Dorian. Conhecido por sua crueldade, não exita em dizimar cidadãos e mandá-los para a escravidão, seja em suas terras, seja nas minas. Além disso, o Rei fez mais do que simplesmente querer expandir suas fronteiras: ele baniu toda a magia do reino, proibindo-a.

Logo, não só os povos que enfrentou foram subjugdos; seu próprio povo foi caçado e queimado em fogueiras, assim como qualquer templo, livro, ou amuleto que indicasse o uso desta arte, considerada profana e contra a Deusa, a quem cultuam como sua maior divindade.

Mas o passado de Celaena está intrinsicamente ligado a magia, por mais que esta tenha criado portas e paredes para lembranças que não quer que cheguem à consciência.
- Floresta maldita ... – rosnou um soldado de pele cor de oliva. Um soldado atrás dele deu uma risadinha. – quanto mais cedo queimarem isso, melhor. – os outros soldados assentiram, e Celaena enrijeceu. (...)
- Cuidado com a língua – respondeu Celaena. – O rei Brannon era do povo Feérico, e Carvalhal ainda é dele. Eu não me surpreenderia se as árvores lembrassem dele.
Os soldados riram.
- Essas arvores teriam de ter uns dois mil anos de idade! – disse um deles.
- Feéricos são imortais – respondeu ela.
 Agora, em meio à fortaleza do Rei, cercada por guardas e repleta de inimigos que querem destroçá-la, Celaena terá que disputar um torneio que não decidirá só seu emprego pelos próximos cinco anos, mas sua vida, enquanto estranhos acontecimentos fazem pensar que a magia não morreu de todo no reino - e infelizmente não está sendo utilizada para bons propósitos.

"Trono de Vidro" nos traz uma leitura envolvente, com diálogos ácidos e situações inusitadas, adorei a originalidade com que foi escrito, e as inúmeras reviravoltas no decorrer da trama. Não tinha me entusiasmado muito até mais ou menos a página 50, quando o livro realmente começou a prender minha atenção.

Só senti um pouco de falta de mais passagens em que Celaena mostrasse seus dons como assassina pois, apesar de isso ter sido alardeado o livro inteiro, as lutas são muito mais internas e em diálogos ferinos do que de qualquer outra forma. Mesmo assim, gostei muito do livro, pretendo acompanhar os outros dois livros da série. Recomendo!

9 comentários

  1. Olá Sheila,

    Recebi o livro, mas não estou empolgada com a leitura!

    Bjss

    ResponderExcluir
  2. Caramba, melhoras para você. =/

    Bem, desde o lançamento do livro eu estou empolgadíssimo para ler. É a primeira resenha que eu leio e a estória já me prendeu. Fiquei curioso como a autora se inspirou no conto da Cinderela para criar uma estória tão antagônica, tão oposta... Achei interessante e curioso o nome da protagonista e as citações que você separou só despertaram ainda mais a minha vontade de ler o livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois eh, a idéia era essa mesma - criar uma espécie de anti-heroína! Brigada, vou ficar (só) uns 3 meses em casa, difícil vai ser eu querer voltar a trabalhar depois ...

      abraços

      Excluir
  3. Estava muito entusiasmada por essa série, até descobri que ela é enorme. Então desanimei. Só quero iniciar a leitura se a editora lançar todos os livros e os contos, então, não sei, pois nem sempre elas lançam tudo, e muito menos os contos. Vou aguardar e acompanhar por resenhas para ver o andamento do enredo. Mas, apaixonei pela capa, sério!

    ResponderExcluir
  4. Só fiquei triste em saber que são 6 livros e que tem mais vários contos Tanta coisa! Vou deixar pra comprar o livro só quando tiver lançado mais da série, senão eu me desespero pq eu odeeeeeio esperar séries concluir . Mas com certeza vou ler este livro um dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gizeli! sério que são 6!?!? Pox, até eu desanimei um pouquinho agora ... brincadeira, vou ler os outros - assim que lançarem - e atualizando vcs, abraços

      Excluir
  5. Melhoras!!
    A premissa dele já parece interessante porque temos uma mocinha independente. Mas diz aí... acontece algum romance entre ela e o Dorian? Seria legal.. haha..
    Me chamou um pouco a atenção, mas não a ponto de eu procurar ler.
    Gostei da resenha.

    Beijos.

    http://vivianpitanca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah, e estragar a surpresa!!! não conto não ... bjus

      Excluir
  6. respondendo sua primeira pergunta: não gosto muito de trilogias/séries, prefiro livros que não tem continuação alguma, pois gosto de variar bastante minha leitura.
    quanto a essa resenha:
    gosto da capa e a história parece muito boa, pena então que não tem tanta ação quanto deveria.

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

 
Ana Liberato