quarta-feira, 23 de maio de 2012

Resenha "Chaplin - Uma Vida" (Stephen Weissman)

Por Sheila: Chaplin, Uma Vida, é uma biografia autorizada escrita pelo psicanalista Stephen Weissman. Realizando uma pesquisa metódica e detalhada, Weissman falará das origens de Chaplin, desde o conturbado encontro de seus pais, passando por sua difícil infância e adolescência, para sua posterior carreira como ator de variedades, ator de curtas pastelão e cineasta de sucesso. Com Introdução escrita por Geraldine Chaplin, filha de Charlie Chaplin vemos, logo no início, seu reconhecimento pela obra, mas também sua estranheza e desconforto por algumas das revelações contidas neste livro. Segundo suas palavras

“Este livro, sempre provocador e algumas vezes doloroso, é uma leitura reveladora, um importante elemento para compreensão da genialidade e da arte de meu pai, e uma reflexão única sobre o mistério da criatividade”.

Nascido em Londres em 1889, Charles Chaplin teve que passar por diversas instituições, e às vezes até mesmo freqüentando as ruas juntamente com seu meio-irmão Sydney. Chaplin era filho de dois artistas do teatro de variedades – um tipo de apresentações feito por atores saídos das camadas mais populares da Londres da virada do século, atores até bem conhecidos e remunerados. No entanto, a mãe de Charlie, apesar de ter-se apaixonado perdidamente por Charles Sr, acabou por abandoná-lo por duas vezes, uma para ir atrás de uma aventura na África, outra por ter se apaixonado novamente, agora por um produtor. Linda, talentosa e muito ambiciosa, Hannah Hill Chaplin acabou por contrair sífilis, muito provavelmente em sua viagem à África, o que lhe causou degeneração dos tecidos cerebrais e a fazia passar por períodos de internação em instituições assistenciais.

O pai de Charles, a esta altura casado novamente e nem um pouco disposto a ter de criar o filho de outro homem – seu meio-irmão Sydney – tinha também propensão ao alcoolismo, tendo morrido justamente em decorrência de sua vida libertina. Motivo pelo qual os irmãos muitas vezes tiveram de enfrentar vidas paupérrimas, e viver em instituições para menores, das quais Charles guardou, ainda na vida adulta, funda impressão, principalmente das técnicas disciplinares
“Às 10 horas nós marchávamos ordeiramente para o enorme e lúgubre arsenal com paredes cinzentas monótonas. Ficávamos de pé em silêncio contemplando os instrumentos de tortura – um cavalo com alças, um cavalete com correias no qual ficavam pendurado o bastão, a vara de vidoeiro e a correia com nós. Após meia hora de suspense e ansiedade pelo terror que se seguiria, entravam solenemente o médico, um mestre, dois assistentes e o terrível capitão Hindrum, o disciplinador”.

Mesmo com todas estas dificuldades, sempre que Hannah recobrava-se e conseguia ficar com os filhos, era mãe exemplar, e professora de teatro excelente. Tanto que Charlie extremava-se em fazer imitações para alegrar os outros moleques de rua com quem andava com suas imitações e interpretações.


Dos subúrbios de Londres, o jovem Charlie consegue passar a artista do teatro de variedades, sempre com brilhantismo, até ser descoberto pelos cineastas de Hollywood e ficar consagrado como ator pela invenção de seu mais memorável personagem, o Adorável Vagabundo das telas de cinema. “Seria este personagem inventado por Chaplin uma Paródia e uma memoração ao pai alcoólatra? Seriam as heroínas de seus filmes memórias sublimadas, parte recordadas, parte reprimidas, da mãe adorada e de vida trágica?” São estas as perguntas que Weissman se faz, e tenta responder – a si mesmo e ao leitor – nesta obra.


Além de realizar resgate da vida e obra de Chaplin desde a infância, o autor ainda retrata a historica  Londres da virada do século, passando depois a Hollywood, com profusão de detalhes e grande precisão. É um livro interessante, tocante, porém um pouco denso, mas que vale a pena ser lido.

12 comentários :

  1. Puxa vida...só de ler a introdução do post, já deu pra perceber o quanto o livro deve ser denso e emocionante.
    Nunca imaginei que a infância de Chaplin tivesse sido assim, a mãe, o pai. Creio que só de saber isso, é possivel entender os olhos sempre triste de Chaplin nos velhos e bons filmes mudos.
    Carregar todo esse peso nos ombros, não deve ter sido tarefa fácil.
    Esse livro vai pra lista de desejados, sem sombra de dúvidas!
    Belo post!!!

    ResponderExcluir
  2. Chaplin tem o dom de me irritar, acho ele tao parado.

    :s

    Beijinhos.

    Selene Blanchard
    Blanc – ModaeEu.blogspot.com – TEM PROMOÇÃO COM BlackBerry,e outras duas especiais.
    Espero sua visita!

    ResponderExcluir
  3. Não sou muito fã de biografias, não sei explicar o motivo, simplismente não me atrai. :c

    ResponderExcluir
  4. Hey, primeira vez que venho aqui e tenho que dizer: o layout é muito lindo! Fora isso, como vocês disseram que gostam de feedback, a resenha está muito bem escrita. Comecei nesse mundo de blogs e a escrever agora, então é legal me inspirar em posts assim. Voltarei sempre aqui (:

    Além disso, eu AMO biografias, principalmente as dos meus ídolos. Eu acho que o Chaplin é uma das criaturas mais mágicas que já existiu, então bem provavelmente vou tentar ler esse livro. Acho que vou esperar as férias já que você disse que é bem denso. Enfim, muito bom!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Não curto muito biografias ,mas daria uma chance pra esse livro e para o da kate perry , pois amoo os filmes desse cara , ela era um gênio da arte de interpretar!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá...
    Nossa, eu adoro Chaplin, sempre quis ler alguma biografia dele, mais as que eu achei são muito caras... Nunca tinha visto essa, e eu me interessei muito.. adorei a resenha!

    libraryinhouse.blogspot.com

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Muito massa! Ja vi alguns filmes dele, o cara é genial! Bem legal conhecer um pouco sobre essa figura tão importante! Dear Book também é cultura!

    ResponderExcluir
  8. Só a resenha ja foi super interessante, imagina o livro! Não conhecia nada sobre a vida dele, mas fiquei curiosa para ler.

    ResponderExcluir
  9. Não sou grande fã de biografias, mas a vida de Chaplin é realmente comovente e deve ter rendido um grande livro. Acho que o maior valor da biografia de alguém famoso, mais do que narrar os acontecimentos de sua vida é colocar em perspectiva a vida dessa pessoa em relação aos acontecimentos históricos e ao meio em que ela viveu. Nesse quesito, a sua resenha confirma que essa missão foi cumprida com sucesso.

    ResponderExcluir
  10. Realmente Chaplin foi um dos caras mais importantes da história mundial... Seus filmes e sua vida são exemplos... É impossível alguém não gostar dele... Sempre lembro de Tempos Modernos e, infelizmente, é algo que até hoje acontece! =(

    ResponderExcluir
  11. Eu sempre gostei dos filmes do Chaplin, e ele com certeza foi um homem muito impostante para o cinema!
    Muito legal saber desse livro, e a resenha me fez querer lê-lo muito!
    Já foi pra minha WishList ;)

    xoxo, Isa =*

    ResponderExcluir
  12. Caramba! Eu amo demais o Charles Chaplin e esse livro é o que eu tava procurando para ler e conhecer mais sobre ele. Já tô doida pra comprar!

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris