quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Resenha: "O Espião - Uma aventura de Isaac Bell" (Clive Cussler e Justin Scott)

Por Sheila: Oi pessoas! E aí, vocês já conheciam Clive Cussler? Se a resposta for não, então você é tão desinformado quanto eu, tive que pesquisar para saber quem era essa pessoa... Bom, mas para quem não sabe, o escritor é considerado um mestre em romances de espionagem, sempre recheados com muita ação e aventura. Já Justin Scott é especializado em romances policiais, o que me leva ao motivo de toda esta explicação: Em O espião veremos a junção destes dois gêneros de narrativa, ambientada na primeira década do séc. XX.

Além disso, o livro é baseado em filmes noir, o que eu também não sabia o que queria dizer e que, segundo nosso grande amigo google, é um estilo de filme primariamente associado a filmes policiais, que retrata seus personagens principais num mundo cínico e antipático. Ou seja, a narrativa consegue fazer com que você praticamente veja a ação se desenrolando, em preto e branco ainda por cima. Mas vamos ao livro.

Isaac Bell é um detetive particular, trabalhando à serviço da Agência Vandorn, considerada uma das melhores do país. Tudo começa quando um talentoso projetista de canhões morre num aparente suicídio, fazendo com que sua filha procure a agência em busca da verdade, já que as instalações militares onde o pai trabalhava - e onde o aparente suicídio ocorreu - recusam-se a aceitar seus protestos e tentam abafar o ocorrido.
Dorothy Langner recusou a ofert de chá ou água e foi direto ao assunto.
- A Marinha divulgou uma história segundo a qual o meu pai se matou. Quero contratar sua agência de detetives para reabilitar o nome dele.
Van Dorn preparara-se como pudera para a difícil entrevista. Tinha muitas razões para duvidar da sanidade mental do pai dela ...
- A Marinha diz que meu pai causou a explosão que o matou, mas ninguém lá quer me dizer como chegaram a isso (...) Ele não teria se matado daquele jeito.
Impressionado com a veemência da jovem, o detetive Isaac Bell resolve assumi-lo, mesmo que acredite que Langler realmente se matou, e contra as argumentações e reticencias do Sr Van Dorn, dono da agência. No entanto, o que parecia ser um caso simples, destinado a trazer conforto a uma jovem - e bela - filha enlutada, transforma-se em uma caçada perigosa, a um espião fora do convencional.

Em sua busca pela verdade, Isaac irá se confrontar com uma intrincada trama, já que tudo leva a crer que a morte de Langler é apenas a primeira de uma série de assassinatos direcionados às mentes tecnológicas mais aguçadas de seu tempo e atrasar a corrida marítima ao extinguir os principais responsáveis pela criação e aprimoramento dos couraçados dreadnoughts, navios que com as melhorias sendo criadas seria imbatível.

Por trás de tudo, há um ardiloso espião, que não parece seguir as regras do jogo e trona-se um enigma difícil de resolver até mesmo para Isaac Bell, considerado o melhor investigador das Agências Van Dorn. Quem estaria tentando acabar com o poderio militar naval dos Estados Unidos? Seriam, os Alemães? Japoneses? Franceses? Todos são suspeitos e nada é o que parece ser.
- Três suspeitos diferentes - observou Marion - Três nacionalidades diferentes ... É claro, o que poderia ser mais internacional do que uma corrida de couraçados?
- O capitão Falconer inclina-se a culpar o Japão.
- E você?
- Não há dúvida de que os japoneses têm prática em espionagem ... Mas eu não tenho preconceitos. Realmente, acredito que poderia ser alguém de qualquer uma dessas nacionalidades.
O tema é muito bem explorado por Cussler e Scott, não deixando nenhuma ponta solta na estória. Tudo ´s explicado, todos os detalhes são revistos, e existe um conhecimento detalhado a respeito dos navios, em torno dos quais gira a trama, bem como do cenário político em que a trama é ambientada - no ano de 1908, se eu ainda não havia dito.

O livro é bem escrito e desenvolvido, e gostei bastante apesar de esta não ser uma das minhas leituras preferidas. Pelo menos para mim ficou um pouco cansativa a leitura já que não entendo NADA de navios, engrenagens e há tantos personagens e reviravoltas que as vezes eu acabava me perdendo um pouquinho. Mas Cussler realmente merece a aclamação a ele dirigida, o livro é realmente muito bom. Recomendo.

10 comentários :

  1. Gizeli Regina Meisterquarta-feira, setembro 19, 2012

    Também nunca tinha ouvido falar de Cussler. Pela sua resenha, o escritoe é muito bom. Já estou bem curiosa para ler o livro.
    Será que ele tem mais livros lançados aqui no Brasil?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem sim! No momento estou lendo outro dele chamado O Reino, vou dar uma pesquisadinha e vejo quais mais e posto aqui


      abraços

      Excluir
  2. Também faço parte do "clube dos desinformados", rsrs.

    Achei legal a trama, em breve lerei.

    Bjo.

    ResponderExcluir
  3. Adorei o estilo do livro, desde a capa ate o enredo, me conquistou!

    ResponderExcluir
  4. Eu adorei O Espião! Nunca havia lido nada do autor, mas gostei muito do ritmo da trama e não consegui largar até terminar. Normalmente curto histórias de mistério, investigação, policial; e sabe que não achei tão carregadas as descrições mais técnicas dos navios. Mal posso esperar para ler O Reino. =)

    bj
    escrevendoloucamente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Eu também li O espião e gostei bastante, apesar de todos os detalhes não achei o livro cansativo e embora não entenda nada de navios, achei que ficou tudo bem explicado.

    ResponderExcluir
  6. Eu ainda não li esse livro embora já tenha lido muitas resenhas e comentários. Estive com ele nas mãos para comprar mas tive que escolher entre os outros quais levar. Ele ficou para depois. Gostei da sua resenha. Ficou muito boa.

    ResponderExcluir
  7. Ainda não li esse livro...Mas eu tenho ele aqui para leitura há sééculos...hehehe...ainda não tive vontade de lê-lo, mas ainda nesse ano eu leio ele...

    ResponderExcluir
  8. Confesso que li esse livro já tem um tempinho e a leitura não conseguiu me prender :/
    Como vc descreveu, achei a leitura cansativa, enrolada...lia, lia e não ia pra lugar nenhum.rs
    Mas li inúmeras resenhas positivas, sinal que o autor agradou né??

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Ainda não tive a oportunidade de ler o livro, e agora fiquei meio receosa, não gosto de leituras cansativas, pois não consigo abandonar o livro, ai fico enrolando com a leitura e atrasa todo o meu cronograma. Gostei da resenha!

    Beijos.

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris