quarta-feira, 10 de abril de 2013

Resenha: "O Primeiro Amanhecer - O Além Mar II" (Roberto Pellanda)

Por Sheila: Olá people! (em inglês, para variar um pouco o "pessoas"...). Hoje trago a vocês o segundo volume da série "O Além Mar". A resenha do primeiro livro "Noite sem fim", de Roberto Campos Pellanda já foi publicado aqui no blog e pode ser acessado aqui.

Sempre aviso, para quem não gosta de estragar a surpresa e saber antes da hora o fim do livro, que não leia a resenha da continuação. Afinal, geralmente começo por onde o último livro terminou, por isso inevitavelmente lanço alguns spoilers. Mas se você não tem problema algum em ficar sabendo como o livro I termina, lei a vontade!

Pois bem, neste segundo volume, logo no início somos apresentados à história de Mrtin, nosso protagonista, e a forma como vem parar na Vila. Na verdade, ele é trazido pelo mar, o que explica de certa forma a luta de seu pai (adotivo) em busca da verdade por trás do regime ancião. Afinal, se nada há no Além Mar, como um bebê pode surgir trazido por ele - o Mar - dentro de um bote?

Logo após o prólogo, o livro é retomado de onde havia terminado: com Martin à bordo do Firmamento, navio no qual foi em busca de Maya e resgatou-a, junto com outros da Vila que haviam sido levados, pelos apavorante Knucks. Mas a viagem para Além Mar, por mais que traga algumas respostas, fomenta mais ainda algumas dúvidas: afinal que lugar é esse onde o céu se incendeia, e assim permanece indefinidamente?
A imensa cortina que cobria a abóbada sobre as suas cabeças, antes escura e apenas perfurada aqui e ali para deixar cintilar as estrelas e a lua, agora estava pintada com uma explosão inacreditável de diferentes cores. Próximo ao horizonte, na direção em que navegavam, havia um brilho intenso; mais ao alto, diferentes tons de rosa se mesclavam em uma aquarela caótica. As poucas nuvens que salpicavam o céu exibiam uma cor rosada tão intensa, que mais se pareciam com fragmentos de algum metal incandescente. Já na direção oposta (de onde tinham vindo), as cores evanesciam e perdiam o brilho, dando lugar a um azul pálido e sem vida.
Assim, descobre Martin o Sol. Um choque, já que na Vila, de onde ele e quase todos os homens a bordo do Firmamento vem, é sempre noite. Agora, eles estão a caminho da Cidade do Crepúsculo lugar onde, ao contrário da Vila, é sempre dia. Habitada por um povo comerciante, religioso ao extremo - ao menos, parte do povo - e que vivem numa sociedade muito bem organizada. Mas que, no entanto, tem alguns problemas muito parecidos com a Vila: os Knucks.

No entanto, onde Martin esperava encontrar apenas amigo e aliados, encontra uma série de intrigas e brigas políticas entre diferentes facções, alguma interessadas em apenas uma coisa: Poder. Agora, o que Martin descobrirá, é que a traição dos Anciãos ao povo da Vila vai muito além do que sequer imaginava. Na verdade, toda a história da criação do mundo como o conhecia - primeiro único no universo, agora possuindo sua metade complementar - estava errada.

Conta a lenda que um dia, muito tempo atrás, o mundo possuía algo que os antigos denominavam "dia" quando o sol brilhava, e "noite", quando este abandonava o céu e dava lugar à lua e as estrelas, e que isso acontecia sempre num intervalo curto de horas, cerca de 24. No entanto, algo aconteceu, cindindo este mundo no meio e dando vida a Knucks, morfélias e atchins, seu contraponto emocional.

Agora, Martin precisa descobrir o que gerou a cisão de seu mundo, proteger-se contra os ataques dos Knucks, sobreviver as intrigas da cidade do Crepúsculo, e ainda achar um jeito de ajudar o povo da Vila, que esta sendo atacada por uma misteriosa doença, e vivendo num clima de tensão crescente.
(...) o pai de Maya caira doente. A febre que o atormentava tinha vindo súbita e implacável. Em poucas horas, ele já não conseguia levantar da cama e passava a maior parte do tempo dormindo, enquanto seu corpo fervia. A mãe ficava ao lado do pai o tempo todo e insistia para que Maya fechasse as portas da livraria. Ela afirmara que, com aquele clima de extrema tensão, além de perigoso, seria inútil deixar o estabelecimento aberto: nenhum cliente apareceria. Maya havia contra-argumentado, afirmando que precisavam de dinheiro; quase não havia mais comida na despensa. Não que se encontrasse muita comida para ser comprada na Vila naqueles dias, de qualquer modo.
Este livro II segue a mesma excelência de escrita assumida pelo primeiro, mas a trama possui elementos ainda mais envolventes e elaborados. A luta pelo poder, a ganância desenfreada, os jogos políticos que privilegiam alguns poucos, toda uma trama que nos faz pensar a respeito da sociedade atual em que estamos inseridos, lógico que de forma metafórica.

Além da explicação (belíssima) para a divisão do mundo de Martin - o que poderia ser, talvez, um "futuro" do nosso - temos ação, aventura, suspense, romance, tantos elementos juntos que chega a ser difícil esmiúça los um a um neste espaço. Este segundo livro é, com certeza, mais denso e complexo que o primeiro, mas em nenhum momento menos instigante.

Uma narrativa ágil, uma trama para lá de bem elaborada e um final realmente de tirar o fôlego, fazem desta continuação um livro que vocês com toda certeza não deveriam deixar de ler. Tornou-se, sem esforço, um dos meus preferidos. Recomendadíssimo.

5 comentários

  1. Come forward to us & get solution for your income problems ,(11531)
    Complete Our 3 day work at home training course and be
    placed in a work at home job, with a real company that
    will earn you over $50,000 per year Guaranteed!
    Earn up to $100,000 Per year from home
    as a certified home worker for more details visit: (http://www.JobzInn.com)

    ResponderExcluir
  2. Gizeli Regina Meisterquarta-feira, abril 10, 2013

    Para ser sincera é a primeira vez que leio sobre o livro e o autor, li as duas resenhas e me apaixonei, ja estão na minha listinha de kilometros de leitura. Nossa os autores brasileiros estão cada dia melhor.....Estou muito orgulhosa da Literatura Nacional!

    ResponderExcluir
  3. Sua resenha foi ótima, mas eu achei esse livro meio chato. Não sei porque, é a primeira vez que ouço falar desse livro, mas achei ele muito estranho...

    ResponderExcluir
  4. Ainda não consegui gostar dessa serie de livros..rs
    Mesmo tendo achado pontos que eu curto,a luta pelo poder, a ganãncia..coisa que sempre rende pontos importantes..ainda vou passar a vez de ler..
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. também não conhecia esse autor e nem o livro. Mas parece ser bem interessante. To precisando ler um pouco de livros nacionais, sabe? =)

    beijos
    Kel
    porumaboaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

 
Ana Liberato