domingo, 7 de julho de 2013

Resenha: "Filhos do fim do mundo" (Fábio Barreto)

Por Sheila: Olá pessoas! Como estão???? Mais um livro nacional, com um tema super envolvente - e, diga-se de passagem, uma das minhas temáticas favoritas. Afinal, o título (e as primeiras páginas) já nos entregam do que ele se trata: fim dos tempos, um mundo tendo que se readaptar após algum evento pós-apocaliptico.

E o evento, neste caso, é justamente o que traz a originalidade: num determinado dia, que não nos dizem qual é, à meia noite, uma tragédia atinge a população em escala global: todos os bebês e crianças com menos de um ano de idade começam a morrer de forma totalmente inexplicável.
Casa (...) sua mulher berrava. Ele tinha um filho, um garoto sorridente, gordinho e bonachão de nove meses de idade.
Tinha.
Sua mulher e a Enfermeira gritavam a mesma coisa.
Seu filho estava morto.
Todas as crianças da maternidade estavam mortas. Todas.
Atrás dele, o relógio marcava meia-noite e cinco minutos. A luz verde do calendário eletrônico brilhava com ar fúnebre. Eram os primeiros minutos do fim do mundo.
Em meio a caos que ameaça se insurgir, um Repórter surge, sendo destacado junto com vários de outros seus colegas para tentar descobrir o que aconteceu com o mundo - e se de fato todo ele foi atingido. Mesmo estando sua Esposa gestante, em vias de dar à luz, ele parte em uma viagem para tentar descobrir o que aconteceu. Até por que, pensando bem, esta pode ser não só a única esperança de fazer algo por seu filho, mas também pelo mundo. Afinal, não são apenas as crianças que morreram subtmente...
O gramado estava destruido pela agitacao da multidao. Destruido e sem cor. O habitual verde  brilhoso dava lugar a uma maçaroca opaca e levemente amarelada. Um dos soldados olhou para a grama, mas logo perdeu o interesse. Virou de costas e perdeu a acao quando viu pela janela da agenci bancária ... a existência de um aquario ggante; as bolhas ainda subiam pelo motr de oxigenacao mas, a prncipio, nao viu nenhum peixe. ?Vasculhou os corais e as rochas que decoravam o habitat e, por fim, encontru s ocupantes. Todos boiando na superfície. Barriga para cima. Movendo-se conforme os movimentos provocados pelo oxigenador.
Mortos.
Mais uma descoberta que vem abalar as estruturas do mundo: todas as plantas e animais com menos de um ano de vida também morrem, tão subitamente quanto as crianças, e respostas são a única coisa que ninguém parece ter para explicar o que poderia estar acontecendo para provocar este fenômeno. Seria um evento transitório, passageiro? Ou é este o fim do mundo, como era até então conhecido?

A obra é narrada em terceira pessoa e tem uma característica peculiar: nenhum dos personagens tem nome. Para Fabio Barreto o Repórter é O Repórter, a esposa dele é A Esposa, o padre da cidade é o Padre, e os personagens secundários tem seus nomes escritos com letras minúsculas. As frases são curtas e de efeito. Se  Barreto queria impressionar em seu romance, realmente conseguiu, é um livro apocalíptico diferente e escrito de forma instigante.

Mas ... ou eu ando muito chata mesmo, ou os livros que ando lendo não tem conseguido me despertar o mesmo fascínio que sinto com outras obras. Por mais que a leitura de "Filhos do fim do mundo" não tenha sido maçante, também não chegou a virar um dos meus livros de cabeceira por que, mais uma vez, não consegui me identificar com os personagens, torcer por eles, acompanhá-los em cada nuance oferecida pelas palavras de tinta sobre o papel.

No entanto,  espero que você cara (o) leitor (a) (escrito assim para ninguém pensar que há alguma discriminação de gênero) que já leu o livro possa se manisfestar nos comentários e nos dizer o que você achou deste livro. Abraços e até a próxima!

9 comentários :

  1. Nossa, super me interessei, mesmo ! agora falta o livro .. =\ rs

    ResponderExcluir
  2. Me interessei pelo livro por causa da temática. E o jeito que você descreveu é bem instigante. Parece mesmo ótimo. Talvez o próprio fato dos protagonistas não terem nome mencionado contribuiu pra que você não se cativasse. Mas ainda assim quero ler. :)

    Abraço!
    http://constantesevariaveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. O livro parece original e tal, mas confesso que não me despertou interesse. Pelo que vc falou, parece que é o tipo de livro que dá pra ler sem odiar, e só.

    ResponderExcluir
  4. Li muitas coisas sobre esse livro e pela resenha, vale a pena dar uma conferida, a história parece ser bem amarrada, a leitura cativante e com um bom ritmo.

    ResponderExcluir
  5. Gosto bastante de livros que abordam o Apocalipse, e achei esse interessante, pois foge do lugar comum de prédios explodindo, invasões extraterrestres, chuvas de meteoros, e etc.
    O que talvez acharia estranho na leitura, seria essa não-nomeação das personagens, mas creio que seja questão de adaptação.

    ResponderExcluir
  6. Os livros nacionais estão me surpreendendo cada vez mais, e os autores com cada vez mais criatividade!
    Sempre me interessei por livros apocalípticos mas ainda não tive a oportunidade de ler um desse gênero e nacional, agora pode ser uma boa hora

    ResponderExcluir
  7. Mais um pra lista de leitura :D
    Me lembrou o filme (que agora esqueci o nome D:) em que as mulheres não conseguem mais engravidar, e o mundo está cheio de problemas.
    Parece bem legal, parabéns pela resenha ;)

    ResponderExcluir
  8. Ao ler a resenha desse livro me lembrou a praga dos Primogênitos em Exodo - Bíblia Sagrada.
    Parece bastante tenso! E essa de não dar nomes, diferente/estranho!

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris