segunda-feira, 31 de outubro de 2011

[Conto] "Escuro" (Sheila Schildt)


Post especial de contos escritos pela equipe Dear Book durante a Semana de Halloween


"Escuro" (Sheila Schildt)

Logo eles chegarão aqui. Logo. Como posso me defender? Por anos consegui fugir, mas agora sei que não há mais saída. Não, não há saída. Por isso escrevo. Guardei o segredo por muitos anos comigo para proteger aos que amo, mas agora... Oh, agora sei, no fundo, que me enganei por todo este tempo. Eles estavam mortos, mortos, mortos... E por mais que esta palavra retumbe incessantemente em meus pensamentos, ainda não consigo acreditar.

Quando fugi, no ano de **** da cidade onde morava, o fiz pensando em protegê-los. Mas – ai de mim! – sempre soube que a marca me perseguia, e nunca deveria nem mesmo ter-me sentido seguro o suficiente para acreditar que poderia levar uma vida normal. Mas já estava estabelecido como pequeno comerciante a quase 10 anos e a bela Rose, tão pura e tão cândida em seu vestido azul e seus cabelos tão loiros, fazia com que eu acreditasse que nada mais no mundo importava, a não ser a ventura de passar os dedos nos anéis de seus cabelos.

Com o consentimento de seus pais, casamos, e vivemos uma vida venturosa por cinco lindos anos, ao longo dos quais nasceram nossa querida Maria – tão bela quanto à mãe – e Pierre, ainda bebê quando tudo abandonei pensando em protegê-los.

Mas já era tarde. A marca, sempre a marca, grande e negra, denunciando minha posição. Talvez se eu tivesse ido embora aos primeiro sinais... Começou com o cachorro, lembro-me bem agora. Era um fiel companheiro, sempre parado a porta, ou me esperando ao portão após um longo dia de trabalho. Quando este apareceu em uma manhã sem os olhos e com marcas do que pareciam garras em seu dorso, imaginamos que teria sido obra de algum animal selvagem que andasse nas cercanias. Mas que animal selvagem arrancaria ao outro os olhos? Depois disso, foram as galinhas, seis ao total. Todas com o pescoço quebrado e sem o pé esquerdo.

E, por fim o último e inequívoco sinal – o espelho quebrado de meu banheiro, com sangue, (oh meu Deus, era tanto, tanto sangue! Minha filha, onde ela estava, o que houve com ela? senhor, e meu bebê?) . E então eu sabia. Eram ELES. ELES haviam me encontrado, ELES ESTAVAM ALI e eu tinha que fugir para protegê-los. Ledo engano! Já aquela altura tudo já estava perdido, tudo ... oh meu Deus eles estão na porta, ELES, e eles batem, e batem, mas sabem que não precisam podem atravessá-la no momento que quiserem. Vieram me buscar. Eu deveria ter acabo logo com minha vida, logo no início, da outra vez. Com minha morte, a marca, esta insígnia negra em mim tatuada desapareceria... ELES chamam meu nome, estão aqui!

Não vou suportar, não vou... Tenho algo guardado em uma gaveta como último recurso, e irei usá-lo. Não vou suportar os interrogatórios para descobrirem se contei ou não sobre ELES para alguém, os choques, os banhos frios, as celas escuras... O escuro... Não vou suportar... Não vou (...)

____________________________________________________

- Qual a hora do óbito? Pergunta o detetive ao legista que examina o corpo.

- Eu diria que não muito tempo atrás, responde este. – Algo em torno de uma, no máximo uma hora e meia, provavelmente minutos antes de seus homens arrombaram a porta. Ele temia a prisão, por certo.

- Na verdade eu chego a sentir pena, diz o detetive. – Este não iria para a prisão, mas para o hospício. Há alguns anos atrás foi liberado de uma clínica psiquiátrica por estar supostamente “curado” de usa mania de perseguição. No entanto, dois meses depois, matou os pais a machadadas por suspeitar serem cúmplices DELES, seja lá quem fossem em sua mente e fugiu. Passou anos e anos vivendo sob uma identidade falsa, até ter nova crise acerca de um ano atrás e degolar a esposa e filhos. Um caso lamentável, se quer saber.

Abanando a cabeça, o legista recolhe seus instrumentos, já que nada mais há que possa fazer ali. E já que, infelizmente, ninguém que tivesse conhecido o falecido ainda vivesse, ninguém poderia contar que uma visível mancha de nascença, de formato oblongo, que este possuía no antebraço esquerdo, havia desaparecido.

OBS: O fato de não citar o ano em que o conto se passa é intencional para deixá-lo atemporal.

11 comentários :

  1. Muito bom o conto e sinistro hehehe
    Dá pra se pensar muitas coisas.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Adorei o conto *-* muito suspense e com o final aberto para que o leitor imagine o que é, simplesmente adorei!
    ;*

    ResponderExcluir
  3. Muito sinistro o contou, gostei bastante! O final é muito criativo!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, conto curto e muito bom! O final me pegou de surpresa, bem aterrorizante!

    ResponderExcluir
  5. olá

    passei para agradecer os comentários - minha estréia no Dearbook! Confesso que fiquei preocupada, o conto saiu meio "no improviso"

    que bom que gostarem

    abraços

    ResponderExcluir
  6. Uau, bem sinistro!
    Gostei do jeito como vc escreve.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom mesmo,principalmente a reviravolta no final.Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Amei o conto!
    Muito bom...
    tambem quero saber escrever assim! rs
    beeijos, parabens

    ResponderExcluir
  9. OMG!
    eu fiquei com meduh!
    sério, quando falou mortos...
    e a parte das galinhas?!
    Eu não vejo filme de terror e nem leio livros.
    rsrsrs
    Gostei.
    bjm

    ResponderExcluir
  10. Oi Pessoas! Passo apenas para avisar que este conto fará parte de uma coletânea com outros 10 do meu primeiro livro \0/!
    Ele se chamará "Sangue na lua", essa é a página dele no face https://www.facebook.com/sanguenalua

    BJUS

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós! Pode parecer clichê, mas não é. Queremos muito saber o que achou do post, por isso deixe um comentário!

Além de nos dar um feedback sobre o conteúdo, contribui para melhorarmos sempre! ;D

Quer entrar em contato conosco? Nosso email é dear.book@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Layout de Giovana Joris